Além da Saúde do Coração

Mais razões para tomar óleo de peixe

Fonte: Sean Field - LifeExtension®
Além da Saúde do Coração

Os ensaios clínicos concentraram-se nos benefícios cardiovasculares dos ácidos graxos ômega-3 derivados do óleo de peixe.

Dados mais recentes mostram que os efeitos biológicos conferidos pelos ômega-3 se estendem para além das questões cardiovasculares e afetam praticamente todos os aspectos de nossa saúde.

Uma metanálise publicada no ano passado constatou que o maior consumo de ômega-3 do óleo de peixe estava associado a uma redução de 14% no risco de morrer por qualquer causa, em comparação com a categoria mais baixa de consumo.1

Os benefícios do óleo de peixe variam de cognição melhorada a redução de distúrbios metabólicos.

Neste artigo, descrevemos estudos recentes que avaliam os efeitos do óleo de peixe na saúde humana e na longevidade.

Óleo de Peixe Reduz Taxas de Mortalidade

Em 2017, foi publicado um estudo que analisou os efeitos da ingestão de óleo de peixe nas taxas de mortalidade humana. As implicações deste relatório dizem respeito a todos nós.

Esta análise revelou uma redução significativa de 14% no risco de morrer por qualquer causa no grupo consumindo a mais alta, contra a menor quantidade de óleo de peixe ômega-3.

Os epidemiologistas chamam isso de "mortalidade por todas as causas" e serve como uma métrica importante para avaliar o efeito geral de qualquer intervenção no ciclo de vida.1

Para estudar os efeitos a longo prazo do consumo de ômega-3, os pesquisadores combinaram dados de mais de um milhão de indivíduos cujo consumo de peixe e óleo de peixe foi avaliado em 23 estudos separados. Uma subanálise separada de seis estudos envolvendo mais de 400.000 participantes forneceu informações sobre as gorduras ômega-3 do peixe, especificamente.1

Os pesquisadores realizaram este estudo para resolver questões persistentes. Foi constatado que o consumo regular dos principais ômega-3 no óleo de peixe (EPA + DHA) reduz ameaças específicas à saúde, como arritmias cardíacas e fatores de risco para doenças e morte, como disfunção endotelial, distúrbios lipídicos e inflamação.2

Dados sobre mortalidade por todas as causas, no entanto, foram obscurecidos por diferenças no desenho do estudo e nas populações.1

Nesta análise publicada em 2017, os pesquisadores descobriram uma modesta, mas significativa, redução de 6% no risco de mortalidade por todas as causas entre aqueles que consomem mais peixe do que aqueles com o menor consumo de peixe.

Isso é encorajador, mas nem todos podem gerenciar as recomendações do governo dos EUA de duas porções de peixe por semana.3

Por essa razão, os pesquisadores também avaliaram os dados agrupados de seis dos 23 estudos relacionados à ingestão dos componentes mais relevantes dos peixes, o ômega-3 EPA e DHA.1

Eles encontraram um impacto maior contra o risco de morrer por qualquer causa entre os indivíduos que consomem mais ômega-3. Eles mostraram que o risco de mortalidade por todas as causas foi 14% menor naqueles que consumiram mais APE / DHA. Isto é mais que o dobro do valor calculado para o consumo de peixe sozinho.1

Análises posteriores revelaram uma redução de 7% no risco global de morrer por cada 200 mg adicionais de óleo de peixe consumido por dia.1

A partir desse enorme estudo, fica claro que as pessoas que consomem mais óleo de peixe correm um risco substancialmente menor de morrer por qualquer causa - uma descoberta que vale a pena por si mesma.

Mas as pessoas morrem de causas específicas que incluem distúrbios cardiovasculares, obesidade, diabetes, esteatose hepática, câncer, doenças neurodegenerativas e até mesmo depressão grave.

Subjacentes a essas condições degenerativas, estão processos patológicos como a inflamação, que sabemos estar fortemente associada à maioria das doenças relacionadas à idade.

Aqui, examinamos doenças específicas que nos roubam a qualidade de vida e, quando suficientemente severas, da quantidade de vida também.

O que você precisa saber

Os Muitos Benefícios do Óleo de Peixe

  • Os óleos de peixe, ricos em gorduras anti-inflamatórias ômega-3, estão bem estabelecidos como nutrientes cardioprotetores.
  • Novas evidências corroboram os benefícios da suplementação com ômega-3 em uma ampla gama de distúrbios metabólicos, incluindo obesidade, diabetes, síndrome metabólica e doença hepática gordurosa.
  • Os ómega-3 demonstraram ajudar na depressão e em alguns tipos de demência, talvez em grande parte devido aos seus poderosos efeitos anti-inflamatórios.
  • Até mesmo câncer, doenças auto-imunes e distúrbios renais estão mostrando sinais de resposta favorável aos suplementos de ômega-3.
  • Como muitas estratégias de combate à inflamação, o óleo de peixe pode funcionar melhor antes que a doença clínica grave seja evidente, destacando a importância da prevenção.

Gorduras Anti-Inflamatórias

Estudos mostraram que os ácidos graxos ômega-3, como EPA e DHA, têm benefícios em distúrbios metabólicos, como obesidade e diabetes, em distúrbios neurológicos, como depressão e Alzheimer, bem como em câncer e doenças auto-imunes.

Os ômega-3s afetam favoravelmente essa ampla variedade de condições porque reduzem a carga global de inflamação do corpo.4

A inflamação crônica desempenha um papel fundamental nas doenças associadas ao envelhecimento.5 Ao combater a inflamação, os ômega-3 nos ajudam a combater vários problemas relacionados à idade.

Isto é especialmente evidente em distúrbios metabólicos.

Distúrbios Metabólicos

A síndrome metabólica é um conjunto de condições que inclui alguma combinação de pressão alta, gordura da barriga, açúcar elevado no sangue e perfis lipídicos anormais. A síndrome metabólica está associada a um aumento acentuado do risco de doença cardíaca, acidente vascular cerebral e diabetes.6

Os suplementos de ômega-3 mostram efeitos notáveis ​​sobre as causas7 e as conseqüências da síndrome metabólica. E uma das principais forças motrizes da síndrome metabólica é a obesidade.

A obesidade é um importante fator de risco para doenças crônicas, em grande parte porque, em indivíduos obesos, as células adiposas produzem grandes quantidades de proteínas indutoras de inflamação (chamadas citocinas).8 Essas citocinas desempenham um papel na promoção da resistência à insulina, bem como duas doenças relacionadas. : doença hepática gordurosa não alcoólica e diabetes tipo II.9-12

Óleos ômega-3 de peixes exercem efeitos benéficos contra a obesidade. Um estudo publicado em 2016 concluiu que a suplementação de óleo de peixe reduziu a circunferência da cintura e a pressão arterial.13,14

Estudos em humanos confirmam que a suplementação com ômega-3 a cada dia pode reduzir o peso, o índice de massa corporal (IMC), a relação cintura / quadril e a massa gorda total - quando combinados com dieta sensata e exercícios.15,16

Os ómega-3 alcançar estes efeitos através de mecanismos que incluem a melhoria do consumo de oxigénio (indicando um aumento da queima de combustível), os níveis da molécula de sinalização de protecção adiponectina reforço (o que mitiga a resistência à insulina e inflamação), e favoravelmente modular a microbiome.16-18 intestino

A diabetes do tipo II é uma consequência comum da obesidade, porque a inflamação que ela causa leva à resistência à insulina, ao alto nível de açúcar no sangue e ao agravamento da obesidade - criando um ciclo vicioso.19

Suplementação de óleo de peixe tem demonstrado ter benefícios notáveis ​​em pessoas com diabetes tipo II. Estes incluem diminuição do açúcar no sangue em jejum, marcadores de açúcar elevado no sangue (por exemplo, hemoglobina A1c) e necessidade de insulina, bem como redução de episódios de açúcar no sangue perigosamente baixo.14,20

Doença do Fígado Gorduroso

A doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) é uma das principais consequências da obesidade e do diabetes, que ocorre quando as células adiposas se acumulam no fígado, causando grandes quantidades de inflamação21.

Quando não controlada adequadamente, a DHGNA pode progredir para esteato-hepatite não alcoólica (EHNA), uma condição mais grave na qual o fígado fica danificado ou com cicatrizes.22

Estudos em humanos mostram que a suplementação com ômega-3 tem benefícios substanciais em pacientes com a doença.

Por exemplo, verificou-se que o ômega-3 melhora significativamente o fluxo sangüíneo hepático, diminui os depósitos de gordura hepática, reduz os níveis de enzimas hepáticas no sangue (um marcador de lesão hepática) e leva a aumentos significativos na sensibilidade à insulina.23- 27

Os estudos também mostram uma redução de mais de 98% no risco de ter doença hepática mais grave após o tratamento com DHA, em comparação com um grupo placebo.27,28

Um estudo também mostrou que a suplementação de ômega-3 não apenas retardou a progressão da DHGNA para a EHNA, mas reverteu alguns dos danos estruturais que já haviam ocorrido no fígado.29 Este é um achado importante, considerando que esse tipo de dano hepático é considerado irreversível.

Finalmente, em uma revisão de 2017 de ensaios clínicos nos quais a DHGNA foi tratada com suplementação de óleo de peixe, 12 estudos independentes relataram diminuição da gordura hepática ou outros marcadores da DHGNA. Os autores sugeriram que uma duração mais longa do tratamento e uma melhor adesão do paciente podem ser fatores importantes para o sucesso.30

 

Nem todas as preparações de óleo de peixe são iguais

A qualidade conta com todos os suplementos, mas é especialmente crítica quando se considera o óleo de peixe.

As fontes, o processamento, o transporte e a concentração final de produtos derivados do óleo de peixe são indicadores críticos de sua qualidade - e muitos ficam aquém do esperado.

Antes de escolher um suplemento de óleo de peixe, você deve considerar duas categorias importantes:

  1. Concentração e valor
  2. Frescor e sustentabilidade

Por exemplo, um suplemento comercial “óleo de peixe natural” prontamente disponível, vendido em uma importante cadeia de farmácias dos EUA, oferece um enorme pote de softgels a um preço aparentemente razoável. Mas se você olhar mais de perto, verá que a dose recomendada contém 3.600 mg de “óleo de peixe total”, mas apenas 1.080 mg de “gorduras totais de ômega-3” - e não há detalhes sobre exatamente quanto EPA e DHA está presente.

Isso significa que apenas 30% da dose diária pode ser composta de EPA / DHA benéfico.

Para obter o consumo desejado, você precisa tomar seis cápsulas grandes do produto comercial, arriscando arrotos suspeitos e outros efeitos colaterais desagradáveis.

Além disso, poucos grandes distribuidores de óleo de peixe revelam sua localização geográfica, a quantidade de processamento ou o impacto ambiental de suas operações. Muitas usinas de processamento estão localizadas longe dos portos onde são trazidos peixes frescos. E poucas operações de óleo de peixe são de propriedade ou operadas pelos pescadores que trazem para casa a colheita, limitando seus investimentos pessoais e éticos no produto.

Um Óleo de Peixe de Alta Qualidade

Uma parceria entre um especialista em “tecnologia lipídica” e as duas maiores empresas pesqueiras do Chile (uma das principais fontes mundiais de peixes oceânicos) iniciou a produção ativa em 2012.56

Esta parceria tem uma planta de processamento piloto no local, onde os barcos de pesca chegam diariamente para descarregar a captura mais recente possível. A operação tem uma pequena pegada ecológica e está em conformidade com as mais recentes recomendações e certificações de pesca sustentável.

Alcançar uma alta concentração das formas ativas de EPA e DHA de ômega-3 é uma prioridade. Em sua nova fábrica à beira-mar, os peixes são coletados e o óleo é extraído com um processo chamado cristalização seletiva, que atinge concentrações finais de EPA e DHA na faixa de 60% a 85% do produto (comparado com 30% na maioria dos produtos comerciais). ). Esta alta concentração significa que os softgels menores são embalados com ácidos graxos ômega-3 mais essenciais.

Uma dose diária da nova composição de óleo de peixe (duas cápsulas, duas vezes ao dia com as refeições), fornece um total de 3.580 mg de óleo de peixe que fornece 1.500 mg de EPA e 1.000 mg de DHA. Isso significa que 70% da dose diária é composta pelas gorduras ômega-3 benéficas.

Os ómega-3 são uma necessidade virtual para sustentar o coração, o cérebro e a saúde geral do corpo. Escolha o óleo de peixe de forma tão seletiva quanto você escolheria peixe para a mesa - saudável, colhido de forma sustentável e fresco.

Uma Proteção Cerebral Poderosa

Os ômega-3 desempenham papéis vitais na estrutura e função do cérebro.31-34

A quantidade de gorduras ômega-3 no cérebro diminui à medida que envelhecemos.35 Isso leva a perdas de plasticidade cerebral, que é a capacidade de formar rapidamente novas conexões e reter novas impressões e lembranças.33 Ela também está correlacionada com a capacidade diminuída de usar a glicose como combustível - um déficit de energia que tem sido associado à lentidão mental e ao comprometimento neurológico.34

A boa notícia é que a suplementação com ômega-3 pode alterar de maneira favorável a estrutura e a função do cérebro. Além disso, suplementar com ômega-3 melhora as condições relacionadas à idade associadas a alterações inflamatórias, como problemas de memória e doença de Alzheimer.36-38

Combater o Comprometimento Cognitivo

Comprometimento cognitivo, demência e doenças neurodegenerativas são agora reconhecidas como condições inflamatórias.

As alterações inflamatórias podem começar anos - talvez décadas - antes que os sintomas ocorram, 36-38 o que reforça a importância de suplementar com óleo de peixe antes que surjam os principais sintomas.

Por exemplo, em um estudo com adultos com comprometimento cognitivo leve (que frequentemente precede a demência), um suplemento diário de 720 mg de EPA / 480 mg de DHA melhorou a aptidão cognitiva básica, a velocidade de percepção e a memória de trabalho em comparação com pessoas que receberam placebo.39

Em um estudo com adultos saudáveis ​​entre 50 e 75 anos de idade, a suplementação com 1.320 mg de EPA / 880 mg de DHA diariamente por 26 semanas melhorou o desempenho da memória e a capacidade de lembrar locais de objetos.38

Derrotar a Depressão

Depressão vem em muitas formas diferentes e pode surgir por várias razões. Estudos mostram consistentemente que o ômega-3 tem benefícios contra a depressão, independentemente da causa.

Por exemplo, um estudo avaliou o impacto do ômega-3 em mulheres com depressão maior associada à menopausa. Após oito semanas de ingestão diária de 930 mg de EPA / 750 mg de DHA, a pontuação média padronizada de depressão caiu 56%.

Dados ainda mais convincentes deste mesmo estudo mostraram que 45% dos participantes relataram sentir-se normais e não apresentaram depressão até o final do estudo.40 Como benefício adicional, as mulheres experimentaram uma redução na frequência de ondas de calor com a suplementação.

Em um estudo mais recente, jovens adultos com sintomas de depressão foram aleatoriamente designados para tomar placebo ou 1.000 mg de EPA / 400 mg de DHA diariamente.41 Após apenas 21 dias, escores no inventário de depressão (um teste auto-relatado que mede o gravidade da depressão) diminuiu significativamente em indivíduos suplementados, mas não no grupo placebo. Este estudo descobriu que 67% dos pacientes em uso de ômega-3 “não mais preenchiam os critérios para ficarem deprimidos”. 41

Um estudo em humanos e em animais sugere que os efeitos antidepressivos do óleo de peixe / ômega-3 podem ser resultado de atividade anti-inflamatória.42,43

Benefícios adicionais do Omega-3

A capacidade das gorduras omega-3 / óleo de peixe de combater a inflamação e induzir expressões gênicas favoráveis ​​em vários tecidos está agora atraindo a atenção de pesquisadores em praticamente todos os campos da medicina.

Aqui estão apenas alguns destaques de alguns estudos recentes:

  • O câncer é altamente dependente de alterações inflamatórias para sua promoção, uma vez que uma célula maligna tenha se desenvolvido.44-46 Estudos em animais e humanos revelam várias maneiras pelas quais as gorduras omega-3 podem suprimir a inflamação associada ao câncer, com efeitos de longo alcance. câncer de mama, pâncreas e sistema sanguíneo.47-50
  • Doenças auto-imunes são um grupo de desordens destrutivas caracterizadas por inflamação fora de controle e o sistema imunológico atacando os próprios tecidos. Essas condições são relativamente comuns em idosos. Os tratamentos atuais são menos do que adequados, muitas vezes exigindo altas doses de drogas imunossupressoras. Um par de estudos mostrou resultados impressionantes da suplementação com óleo de peixe / ômega-3 em pacientes com artrite reumatóide, uma doença autoimune notoriamente dolorosa para a qual os tratamentos convencionais podem ser altamente problemáticos.51-53
  • A doença renal crônica e sua progressão estão intimamente ligadas a altos níveis de inflamação, tornando-a um alvo ideal para a intervenção com ômega-3. Dois trabalhos recentes examinaram o papel da suplementação de ômega-3 na doença renal crônica. Um deles mostrou que as gorduras ômega-3 eram uma solução eficaz para um dos sintomas mais frustrantes e até mesmo incapacitantes dessa doença, o prurido crônico, também conhecido como prurido. Em outro estudo, a suplementação de ômega-3 resultou em telômeros mais longos, que são os “relógios” cromossômicos associados à longevidade que encurtam com a idade.54,55

Essas descobertas são quase certamente a ponta de um iceberg muito grande, pois os pesquisadores buscam os benefícios potenciais do ômega-3 em uma série de distúrbios relacionados à inflamação.

Últimas Descobertas sobre as Gorduras Ômega-3

Novos estudos sobre gorduras ômega-3 sugerem ainda mais mecanismos de ação - e, finalmente, mais papéis para esses nutrientes versáteis na prevenção de doenças e na promoção de uma boa saúde. Aqui está um resumo de suas descobertas:

  • Os ácidos graxos ômega-6 e ômega-3 de cadeia longa são precursores moleculares dos compostos sinalizadores endocanabinóides57. O sistema endocanabinóide de sinalização cerebral está envolvido na regulação do apetite, sensação de dor, humor e memória.58
  • Os níveis sanguíneos de gorduras omega-3 e DHA totais estão fortemente correlacionados com a diversidade no microbioma intestinal, a comunidade intestinal de micróbios que está intimamente relacionada com a nossa saúde.59 Uma maior diversidade está quase sempre associada a uma maior resistência a doenças e melhor saúde.
  • Em uma exploração adicional das relações entre as gorduras ômega-3 e o microbioma, os pesquisadores utilizaram os poderes antiinflamatórios do ômega-3, combinando-os com uma formulação probiótica para reduzir os efeitos colaterais da quimioterapia induzidos pela inflamação.60 Em um grupo de pacientes com câncer colorretal câncer, essa abordagem melhorou a qualidade de vida, aliviou alguns efeitos colaterais da quimioterapia e reduziu os principais marcadores de inflamação.

Resumo

Estudos publicados com revisão por pares continuam a documentar o valor anti-inflamatório dos suplementos de ômega-3 em alguns dos sintomas mais preocupantes e doenças crônicas do envelhecimento.

Distúrbios metabólicos, como obesidade, diabetes e esteatose hepática, estão resultando em tratamento com ômega-3, assim como numerosas condições relacionadas ao cérebro, incluindo depressão grave e demência.

Evidências também estão se acumulando sobre os papéis do ômega-3 em condições dependentes de inflamação, como câncer, doença auto-imune e doença renal crônica.

A suplementação com óleo de peixe garante que você permaneça na extremidade superior da escala ômega-3, que demonstrou reduzir as taxas de mortalidade humana, juntamente com muitas condições crônicas de idade avançada.

Referências

  1. Wan Y, Zheng J, Wang F, et al. Fish, long chain omega-3 polyunsaturated fatty acids consumption, and risk of all-cause mortality: a systematic review and dose-response meta-analysis from 23 independent prospective cohort studies. Asia Pac J Clin Nutr. 2017;26(5):939-56
  2. Mozaffarian D, Wu JH. Omega-3 fatty acids and cardiovascular disease: effects on risk factors, molecular pathways, and clinical events. J Am Coll Cardiol. 2011;58(20):2047-67
  3. Available at: https://health.gov/dietaryguidelines/2015/guidelines/. Accessed November 14, 2017
  4. Calder PC. Omega-3 fatty acids and inflammatory processes: from molecules to man. Biochem Soc Trans. 2017;45(5):1105-15
  5. Franceschi C, Campisi J. Chronic inflammation (inflammaging) and its potential contribution to age-associated diseases. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2014;69 Suppl 1:S4-9
  6. Available at: https://www.nhlbi.nih.gov/health/health-topics/topics/ms. Accessed November 6, 2017
  7. Gao H, Geng T, Huang T, et al. Fish oil supplementation and insulin sensitivity: a systematic review and meta-analysis. Lipids Health Dis. 2017;16(1):131
  8. Greenberg AS, Obin MS. Obesity and the role of adipose tissue in inflammation and metabolism. Am J Clin Nutr. 2006;83(2):461s-5s
  9. Pi-Sunyer X. The medical risks of obesity. Postgrad Med. 2009;121(6):21-33
  10. Must A, McKeown NM. The Disease Burden Associated with Overweight and Obesity. In: De Groot LJ, Chrousos G, Dungan K, et al., eds. Endotext. South Dartmouth (MA): MDText.com, Inc.; 2000
  11. Monteiro R, Azevedo I. Chronic inflammation in obesity and the metabolic syndrome. Mediators Inflamm. 2010;2010
  12. Jung UJ, Choi MS. Obesity and its metabolic complications: the role of adipokines and the relationship between obesity, inflammation, insulin resistance, dyslipidemia and nonalcoholic fatty liver disease. Int J Mol Sci. 2014;15(4):6184-223
  13. Howe P, Buckley J. Metabolic health benefits of long-chain omega-3 polyunsaturated fatty acids. Mil Med. 2014;179(11 Suppl):138-43
  14. Kurt A, Andican G, Siva ZO, et al. The effects of n-3 long-chain polyunsaturated fatty acid supplementation on AGEs and sRAGE in type 2 diabetes mellitus. J Physiol Biochem. 2016;72(4):679-87
  15. Gonzalez-Acevedo O, Hernandez-Sierra JF, Salazar-Martinez A, et al. [Effect of Omega 3 fatty acids on body female obese composition]. Arch Latinoam Nutr. 2013;63(3):224-31
  16. Haghravan S, Keshavarz SA, Mazaheri R, et al. Effect of Omega-3 PUFAs Supplementation with Lifestyle Modification on Anthropometric Indices and Vo2 max in Overweight Women. Arch Iran Med. 2016;19(5):342-7
  17. Kaliannan K, Wang B, Li XY, et al. Omega-3 fatty acids prevent early-life antibiotic exposure-induced gut microbiota dysbiosis and later-life obesity. Int J Obes (Lond). 2016;40(6):1039-42
  18. Fisman EZ, Tenenbaum A. Adiponectin: a manifold therapeutic target for metabolic syndrome, diabetes, and coronary disease? Cardiovasc Diabetol. 2014;13:103
  19. van Greevenbroek MM, Schalkwijk CG, Stehouwer CD. Obesity-associated low-grade inflammation in type 2 diabetes mellitus: causes and consequences. Neth J Med. 2013;71(4):174-87
  20. Pohl M, Mayr P, Mertl-Roetzer M, et al. Glycemic control in patients with type 2 diabetes mellitus with a disease-specific enteral formula: stage II of a randomized, controlled multicenter trial. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2009;33(1):37-49
  21. Milic S, Lulic D, Stimac D. Non-alcoholic fatty liver disease and obesity: biochemical, metabolic and clinical presentations. World J Gastroenterol. 2014;20(28):9330-7
  22. Available at: http://www.merckmanuals.com/professional/hepatic-and-biliary-disorders/approach-to-the-patient-with-liver-disease/nonalcoholic-steatohepatitis-nash. Accessed November 14, 20147
  23. Scorletti E, Bhatia L, McCormick KG, et al. Effects of purified eicosapentaenoic and docosahexaenoic acids in nonalcoholic fatty liver disease: results from the Welcome* study. Hepatology. 2014;60(4):1211-21
  24. Sofi F, Giangrandi I, Cesari F, et al. Effects of a 1-year dietary intervention with n-3 polyunsaturated fatty acid-enriched olive oil on non-alcoholic fatty liver disease patients: a preliminary study. Int J Food Sci Nutr. 2010;61(8):792-802
  25. Pacifico L, Bonci E, Di Martino M, et al. A double-blind, placebo-controlled randomized trial to evaluate the efficacy of docosahexaenoic acid supplementation on hepatic fat and associated cardiovascular risk factors in overweight children with nonalcoholic fatty liver disease. Nutr Metab Cardiovasc Dis. 2015;25(8):734-41
  26. Boyraz M, Pirgon O, Dundar B, et al. Long-Term Treatment with n-3 Polyunsaturated Fatty Acids as a Monotherapy in Children with Nonalcoholic Fatty Liver Disease. J Clin Res Pediatr Endocrinol. 2015;7(2):121-7
  27. Nobili V, Bedogni G, Alisi A, et al. Docosahexaenoic acid supplementation decreases liver fat content in children with non-alcoholic fatty liver disease: double-blind randomised controlled clinical trial. Arch Dis Child. 2011;96(4):350-3
  28. Nobili V, Alisi A, Della Corte C, et al. Docosahexaenoic acid for the treatment of fatty liver: randomised controlled trial in children. Nutr Metab Cardiovasc Dis. 2013;23(11):1066-70
  29. Li YH, Yang LH, Sha KH, et al. Efficacy of poly-unsaturated fatty acid therapy on patients with nonalcoholic steatohepatitis. World J Gastroenterol. 2015;21(22):7008-13
  30. de Castro GS, Calder PC. Non-alcoholic fatty liver disease and its treatment with n-3 polyunsaturated fatty acids. Clin Nutr. 2017
  31. Yassine HN, Braskie MN, Mack WJ, et al. Association of Docosahexaenoic Acid Supplementation With Alzheimer Disease Stage in Apolipoprotein E epsilon4 Carriers: A Review. JAMA Neurol. 2017;74(3):339-47
  32. Bourre JM, Bonneil M, Clement M, et al. Function of dietary polyunsaturated fatty acids in the nervous system. Prostaglandins Leukot Essent Fatty Acids. 1993;48(1):5-15
  33. Dyall SC, Michael GJ, Whelpton R, et al. Dietary enrichment with omega-3 polyunsaturated fatty acids reverses age-related decreases in the GluR2 and NR2B glutamate receptor subunits in rat forebrain. Neurobiol Aging. 2007;28(3):424-39
  34. Pifferi F, Dorieux O, Castellano CA, et al. Long-chain n-3 PUFAs from fish oil enhance resting state brain glucose utilization and reduce anxiety in an adult nonhuman primate, the grey mouse lemur. J Lipid Res. 2015;56(8):1511-8
  35. Giusto NM, Salvador GA, Castagnet PI, et al. Age-associated changes in central nervous system glycerolipid composition and metabolism. Neurochem Res. 2002;27(11):1513-23
  36. Thomas J, Thomas CJ, Radcliffe J, et al. Omega-3 Fatty Acids in Early Prevention of Inflammatory Neurodegenerative Disease: A Focus on Alzheimer’s Disease. Biomed Res Int. 2015;2015:172801
  37. Robinson JG, Ijioma N, Harris W. Omega-3 fatty acids and cognitive function in women. Womens Health (Lond). 2010;6(1):119-34
  38. Kulzow N, Witte AV, Kerti L, et al. Impact of Omega-3 Fatty Acid Supplementation on Memory Functions in Healthy Older Adults. J Alzheimers Dis. 2016;51(3):713-25
  39. Bo Y, Zhang X, Wang Y, et al. The n-3 Polyunsaturated Fatty Acids Supplementation Improved the Cognitive Function in the Chinese Elderly with Mild Cognitive Impairment: A Double-Blind Randomized Controlled Trial. Nutrients. 2017;9(1)
  40. Freeman MP, Hibbeln JR, Silver M, et al. Omega-3 fatty acids for major depressive disorder associated with the menopausal transition: a preliminary open trial. Menopause. 2011;18(3):279-84
  41. Ginty AT, Conklin SM. Short-term supplementation of acute long-chain omega-3 polyunsaturated fatty acids may alter depression status and decrease symptomology among young adults with depression: A preliminary randomized and placebo controlled trial. Psychiatry Res. 2015;229(1-2):485-9
  42. Rapaport MH, Nierenberg AA, Schettler PJ, et al. Inflammation as a predictive biomarker for response to omega-3 fatty acids in major depressive disorder: a proof-of-concept study. Mol Psychiatry. 2016;21(1):71-9
  43. Dang R, Zhou X, Tang M, et al. Fish oil supplementation attenuates neuroinflammation and alleviates depressive-like behavior in rats submitted to repeated lipopolysaccharide. Eur J Nutr. 2017
  44. Rakoff-Nahoum S. Why cancer and inflammation? Yale J Biol Med. 2006;79(3-4):123-30
  45. Yum HW, Na HK, Surh YJ. Anti-inflammatory effects of docosahexaenoic acid: Implications for its cancer chemopreventive potential. Semin Cancer Biol. 2016;40-41:141-59
  46. Grivennikov SI, Greten FR, Karin M. Immunity, inflammation, and cancer. Cell. 2010;140(6):883-99
  47. Molfino A, Amabile MI, Monti M, et al. The Role of Docosahexaenoic Acid (DHA) in the Control of Obesity and Metabolic Derangements in Breast Cancer. Int J Mol Sci. 2016;17(4):505
  48. Chagas TR, Borges DS, de Oliveira PF, et al. Oral fish oil positively influences nutritional-inflammatory risk in patients with haematological malignancies during chemotherapy with an impact on long-term survival: a randomised clinical trial. J Hum Nutr Diet. 2017
  49. Djuric Z, Aslam MN, Simon BR, et al. Effects of fish oil supplementation on prostaglandins in normal and tumor colon tissue: modulation by the lipogenic phenotype of colon tumors. J Nutr Biochem. 2017;46:90-9
  50. Park M, Kim H. Anti-cancer Mechanism of Docosahexaenoic Acid in Pancreatic Carcinogenesis: A Mini-review. J Cancer Prev. 2017;22(1):1-5
  51. Dawczynski C, Dittrich M, Neumann T, et al. Docosahexaenoic acid in the treatment of rheumatoid arthritis: A double-blind, placebo-controlled, randomized cross-over study with microalgae vs. sunflower oil. Clin Nutr. 2017
  52. Sorto-Gomez TE, Ortiz GG, Pacheco-Moises FP, et al. Effect of fish oil on glutathione redox system in multiple sclerosis. Am J Neurodegener Dis. 2016;5(2):145-51
  53. Veselinovic M, Vasiljevic D, Vucic V, et al. Clinical Benefits of n-3 PUFA and -Linolenic Acid in Patients with Rheumatoid Arthritis. Nutrients. 2017;9(4)
  54. Barden A, O’Callaghan N, Burke V, et al. n-3 Fatty Acid Supplementation and Leukocyte Telomere Length in Patients with Chronic Kidney Disease. Nutrients. 2016;8(3):175
  55. Panahi Y, Dashti-Khavidaki S, Farnood F, et al. Therapeutic Effects of Omega-3 Fatty Acids on Chronic Kidney Disease-Associated Pruritus: a Literature Review. Adv Pharm Bull. 2016;6(4):509-14
  56. Golden Omega. Golden Omega - Direct to the Source Corporate proprietary literature2016
  57. Dyall SC. Interplay Between n-3 and n-6 Long-Chain Polyunsaturated Fatty Acids and the Endocannabinoid System in Brain Protection and Repair. Lipids. 2017;52(11):885-900
  58. Manzanares J, Julian M, Carrascosa A. Role of the cannabinoid system in pain control and therapeutic implications for the management of acute and chronic pain episodes. Curr Neuropharmacol. 2006;4(3):239-57
  59. Menni C, Zierer J, Pallister T, et al. Omega-3 fatty acids correlate with gut microbiome diversity and production of N-carbamylglutamate in middle aged and elderly women. Sci Rep. 2017;7(1):11079
  60. Golkhalkhali B, Rajandram R, Paliany AS, et al. Strain-specific probiotic (microbial cell preparation) and omega-3 fatty acid in modulating quality of life and inflammatory markers in colorectal cancer patients: A randomized controlled trial. Asia Pac J Clin Oncol. 2017
Veja os serviços prestados

Convênios

  • Advance
  • Allianz Saúde
  • Ameplan
  • Amil
  • Apeoesp
  • Bradesco Saúde
  • Caixa Seguros
  • Care Plus
  • Cassi
  • Cetesb
  • Classes Laboriosas
  • Dix
  • Economus
  • Fundação CESP
  • Gama Saúde
  • Grupo Saúde Bresser
  • Hapvida
  • Intermedica
  • Itau
  • Life Empresarial
  • Mapfre
  • Marítima Saúde
  • MedService
  • Metrus
  • Notredame
  • Omint Saúde
  • Ônix
  • Portomed
  • Porto Seguro
  • Sabesprev
  • Santamalia
  • Saúde Secular
  • SP Trans
  • Sul America Saúde
  • Unafisco
  • Unimed
  • Unimed Rio
  • Unimed Seguros