Doença Inflamatória Intestinal (Crohn e Colite Ulcerativa)

Fonte: LifeExtension®
Doença Inflamatória Intestinal (Crohn e Colite Ulcerativa)

Introdução

“Doença intestinal inflamatória” descreve uma coleção de condições que afetam o trato digestivo. A doença de Crohn e a colite ulcerativa são de longe as mais prevalentes e, portanto, são o foco deste protocolo.

A doença inflamatória intestinal é um resultado de desequilíbrios imunológicos na interface do lúmen intestinal (a parte “oca” do trato digestivo através da qual a comida passa) e o epitélio intestinal (a superfície voltada para dentro da parede intestinal). A supressão da inflamação é o principal objetivo do tratamento convencional e integrativo. No entanto, medicamentos imunossupressores potentes empregados na doença inflamatória intestinal, como os glicocorticóides, estão carregados de efeitos colaterais; o que limita muito sua eficácia a longo prazo (Bernstein 2011; Cosnes 2009; Rutgeerts 1994).

Por outro lado, várias intervenções naturais, como ácidos graxos ômega-3, vitamina D e probióticos, modulam a função das células imunes sem prejudicar a capacidade de combater a infecção, que é um dos muitos efeitos colaterais dos inibidores do TNF, outra classe de medicamentos usados. na doença inflamatória intestinal (Cosnes 2009).

Pacientes com doença inflamatória intestinal estão predispostos ao câncer de cólon. Mesmo entre as crises de doença, a inflamação de baixo nível irrita e danifica o tecido intestinal, o que pode levar à malignidade. Essa inflamação subclínica também se propaga sistemicamente, o que pode aumentar o risco cardiovascular (Ruffolo 2010; Henriksen 2008). Portanto, não só é imperativo que pacientes com doença inflamatória intestinal tenham exames regulares de câncer de cólon, mas também monitorem marcadores inflamatórios no sangue, como a proteína C-reativa (PCR) e a interleucina-6 (IL-6). Neste protocolo, você aprenderá como vários ingredientes naturais regulam fortemente a imunidade do intestino e complementam a ação dos tratamentos convencionais para extinguir os incêndios da doença inflamatória intestinal. Você também descobrirá vários exames de sangue convenientes que podem ajudar a identificar deficiências nutricionais devido à má absorção - um problema comum na doença inflamatória intestinal. Ao integrar estratégias dietéticas, apoio nutricional baseado em evidências e terapêutica farmacêutica, pode-se desenvolver um programa abrangente para ajudar a controlar a doença inflamatória intestinal durante as crises de doença e os períodos de remissão.

Anatomia do Trato Digestivo e Imunologia da Doença Inflamatória Intestinal

O trato digestivo consiste em um único tubo longo que tem muitas dobras e convoluções e se estende da boca até o ânus. O tubo é dividido em partes distintas (como o esôfago, estômago, intestino delgado e intestino grosso), cada um com uma estrutura e função específicas. Órgãos sólidos, como o fígado e o pâncreas, também são considerados partes do sistema digestivo.

As partes ocas são responsáveis ​​pela quebra de grandes porções de alimentos em pequenas moléculas que podem ser prontamente absorvidas na circulação. A corrente sanguínea estéril é separada da massa de nutrientes, toxinas e organismos em várias partes do trato digestivo oco por apenas uma camada muito fina de células, chamada coletivamente de mucosa intestinal. Este revestimento delicado e complexo é responsável por secretar substâncias que auxiliam na digestão e absorção de nutrientes e na defesa do corpo contra as toxinas e outros contaminantes no próprio intestino.

A mucosa intestinal deve permitir seletivamente a entrada de moléculas benéficas, excluindo toxinas e organismos que podem ser prejudiciais. Para fazer isso, a mucosa é equipada com vários tipos de células, incluindo células secretoras que produzem uma camada de muco para prender contaminantes, células imunes que atacam e destroem diretamente organismos invasores (macrófagos) e outras células inflamatórias (neutrófilos, células T assassinas, e outros) que respondem à presença de moléculas estranhas produzindo citocinas pró-inflamatórias (pequenas moléculas de proteínas de sinalização celular) (Abraham 2009).

Durante condições saudáveis, as células imunes no revestimento intestinal lidam com invasores de forma rápida e eficiente, sem produzir quantidades excessivas de inflamação localizada. No entanto, na doença inflamatória intestinal, a inflamação torna-se descontrolada. As citocinas liberadas pelas células inflamatórias no intestino atraem células imunes adicionais que produzem substâncias químicas destrutivas e propagam a inflamação (Neuman 2004). Em particular, um subconjunto de células imunes inflamatórias chamadas de células Th17 são principalmente responsáveis ​​por dirigir a inflamação na doença de Crohn, enquanto as células Th2 dirigem a inflamação na colite ulcerativa. Vários fatores fazem com que as células Th17 e Th2 produzam inflamação excessiva, incluindo penetração do epitélio intestinal por micróbios intestinais, composição da microbiota intestinal, lesão na parede intestinal, produção insuficiente de camada de muco e alergias ou sensibilidades aos alimentos. A genética contribui para a suscetibilidade da doença inflamatória intestinal, mas a resposta imune, assim como o microambiente intestinal e a dieta podem ser modificados para mitigar a propensão inflamatória, mesmo em indivíduos geneticamente predispostos.

Como as reações inflamatórias que ocorrem no intestino podem promover inflamação sistêmica, as pessoas com DII devem monitorar os níveis de citocinas inflamatórias no sangue. O teste de citocinas pode ser usado como uma medida da eficácia das terapias antiinflamatórias e também pode ajudar a determinar o risco de outras condições associadas à inflamação, como a aterosclerose. Os perfis sanguíneos de citocinas medem o fator de necrose tumoral alfa (TNF-α), interleucina-1 (beta) (IL-1b) e interleucina-6 (IL-6).

Doença de Crohn: Antecedentes e Diagnóstico

A doença de Crohn pode atacar qualquer porção do trato digestivo, embora a inflamação ocorra mais comumente na parte inferior do intestino delgado, conhecida como íleo. A doença pode causar ulcerações no intestino que podem ser erodidas nos tecidos adjacentes, como a bexiga (Sato, 1999), a vagina (Feller, 2001), ou mesmo a superfície da pele (Tavarela, 2004). A inflamação na doença de Crohn não se limita ao intestino - algumas pessoas que sofrem da doença de Crohn também têm inflamação dos olhos e das articulações.

Os sintomas mais comuns da doença incluem dor abdominal intensa com ou sem diarreia. As fezes diarreicas podem ser misturadas com sangue, muco e / ou pus. Os movimentos intestinais são frequentemente dolorosos. Cólicas na parte inferior direita do abdome são comuns, especialmente após as refeições. As pessoas com doença de Crohn geralmente apresentam febre crônica de baixo grau, falta de apetite, fadiga e perda de peso. Erupções cutâneas também podem ocorrer. As pessoas que sofrem da doença de Crohn geralmente apresentam algum grau de anemia, relacionado à absorção deficiente de ferro, ácido fólico e / ou vitamina B12 e à perda crônica de sangue. Aqueles com doença leve de Crohn podem comer e funcionar razoavelmente normalmente, enquanto aqueles com doença grave geralmente não respondem ao tratamento convencional e apresentam sintomas gastrointestinais persistentes, além de febre e infecções. Testes de sangue para a ferritina, que mede o armazenamento de ferro, e a vitamina B12 e folato podem ajudar a detectar deficiências devido à má absorção.

O diagnóstico da doença de Crohn é geralmente baseado no histórico médico e nos sintomas do paciente. Testes diagnósticos podem ser usados ​​para confirmar a doença e para distingui-la da colite ulcerativa. Esses testes incluem raios-x (com material de contraste, como bário), colonoscopia e endoscopia.

Nenhum exame de sangue pode diagnosticar a doença de Crohn, mas testes de rotina geralmente são feitos para detectar anemia, infecção, grau de inflamação e determinar a função hepática. Certos marcadores de inflamação, como a taxa de sedimentação de eritrócitos (VHS) e a proteína C reativa (PCR), podem ser usados ​​para acompanhar o curso de um paciente ao longo do tempo. O teste de sangue do anticorpo anti-Saccharomyces cerevisiae (ASCA) é algumas vezes usado para ajudar a diferenciar a doença de Crohn da colite ulcerativa (Vermeire 2001).

Existe uma alta prevalência de doença celíaca em pessoas com doença de Crohn (Tursi 2005). Os testes sanguíneos da doença celíaca, como a transglutaminase tecidual e os anticorpos anti-gliadina, devem ser considerados em Crohn.

Colite Ulcerativa: Antecedentes e Diagnóstico

A colite ulcerativa é caracterizada por inflamação do intestino grosso (cólon) que leva a episódios de diarréia sanguinolenta, cólicas abdominais e até febre. Ao contrário da doença de Crohn, a colite ulcerativa geralmente não afeta a espessura total do intestino e raramente afeta o intestino delgado. A doença geralmente começa no reto ou sigmóide e se espalha parcial ou completamente pelo intestino grosso.

A colite ulcerativa geralmente começa gradualmente, com dor abdominal e diarréia às vezes sanguinolenta. Nos casos mais graves, a diarréia é grave e freqüente. Febre, perda de apetite e perda de peso ocorrem. A gravidade da doença depende de quanto do cólon está envolvido. Para muitos pacientes, pode haver longos períodos sem sintomas, seguidos por surtos.

Um diagnóstico definitivo pode ser feito por exame direto do cólon por sigmoidoscopia (exame apenas da porção inferior) ou colonoscopia (exame do cólon inteiro, a abordagem preferencial). Ambos os procedimentos podem ser usados ​​para fazer uma biópsia do tecido intestinal, o que pode revelar informações importantes sobre o grau e a extensão da inflamação e ajudar a descartar outras causas de sintomas. Uma radiografia de enema de bário do cólon também pode ser necessária em algum momento no curso da colite para determinar a extensão do envolvimento. Uma vez diagnosticada, a colite ulcerativa pode ser categorizada com base na gravidade da doença da seguinte forma:

  • Grave. A colite ulcerativa grave, que envolve todo o cólon, é a forma menos comum da doença. Os sintomas consistem em diarreia sanguinolenta profusa (ocorrendo seis ou mais vezes por dia), geralmente com febre e taquicardia sustentadas (ritmo cardíaco acelerado). Anemia grave, aumento da contagem de leucócitos e diminuição dos níveis séricos de albumina também são sintomas característicos.
  • Moderado. Os sintomas consistem em diarréia recorrente, pequenas quantidades de sangue nas fezes, possível febre baixa, anemia leve e sinais mínimos de inflamação. A colite ulcerativa moderada responde rapidamente a terapias apropriadas. No entanto, ataques repetidos de gravidade igual ou aumentada podem ocorrer, o que pode aumentar significativamente o risco de desenvolver câncer de cólon posteriormente.
  • Suave. A colite ulcerativa leve é ​​a forma mais comum da doença, ocorrendo em cerca de 50% dos pacientes. Na maioria dos casos, a colite ulcerativa será limitada à porção inferior do cólon e ao reto. Complicações sistêmicas são incomuns e o principal sintoma é o sangramento retal.

Opções de tratamento convencional

Os tratamentos convencionais para DII dependem da localização e gravidade da doença, complicações e resposta a tratamentos anteriores. Os objetivos da terapia são controlar a inflamação, corrigir deficiências nutricionais e aliviar sintomas como dor abdominal, diarréia e sangramento retal. É importante notar que um diagnóstico precoce está associado a uma maior eficácia de esquemas farmacológicos menos agressivos e, portanto, a uma carga menos opressiva de efeitos colaterais. Portanto, é recomendável consultar um médico assim que os sintomas surgirem. A terapia pode incluir drogas, cirurgia ou uma combinação de abordagens.

Tratamentos Medicamentosos

Os seguintes medicamentos podem ser usados ​​para tratar DII:

Medicamentos anti-inflamatórios

  • Os aminossalicilatos são medicamentos que contêm ácido 5-aminosalicíclico (5-ASA) e ajudam a controlar a inflamação local do intestino. Essas drogas são usadas principalmente para tratar DII leve a moderada e ajudar na manutenção da remissão (Bebb 2004). Os efeitos adversos incluem náuseas, vômitos, azia, diarréia e dor de cabeça. Agentes 5-ASA tais como olsalazina, mesalamina e balsalazida têm menos efeitos adversos e podem ser usados ​​por pessoas que não podem tomar sulfasalazina. A balsalazida é convertida no cólon em mesalamina e tem demonstrado reduzir a inflamação intestinal, a diarréia, o sangramento retal e a dor de estômago (Muijsers 2002). Os agentes 5-ASA são administrados por via oral ou rectal (através de um enema ou num supositório), dependendo da localização da inflamação. A sulfasalazina interfere na absorção de folato, portanto, aqueles que tomam este medicamento também devem suplementar com folato (Jansen 2004). O uso de drogas aminossaliciladas ou antibióticos pode reduzir a vitamina K em pacientes com DII, e a suplementação oral dessa vitamina alivia esse problema (Krasinski, 1985).
  • Glucocorticóides ou corticosteróides (como a prednisona e a hidrocortisona) reduzem a inflamação. Eles são usados ​​para tratar casos mais graves de DII e para finalizar ataques agudos. Os glicocorticoides podem ser administrados por via oral, intravenosa ou retal (por meio de enema ou supositório), dependendo da localização da inflamação. Essas drogas podem causar sérios efeitos adversos, incluindo aumento do risco de infecção, diabetes, pressão alta, perda óssea, supressão de rins e úlceras. Efeitos adversos menos graves incluem ganho de peso, acne, pêlos faciais e alterações de humor. Eles não são recomendados para uso em longo prazo e são normalmente substituídos por drogas 5-ASA, uma vez que a remissão tenha sido induzida. Cálcio e vitamina D podem ajudar a combater a perda óssea induzida por glicocorticóides (Homik 2000).

Supressores do sistema imunológico

Antimetabólitos como azatioprina e mercaptopurina impedem a replicação de linhagens de células T inflamatórias. Eles são usados ​​para tratar pessoas com IBD que não responderam a 5-ASAs ou glicocorticóides, ou que são dependentes de glicocorticóides. No entanto, os antimetabólitos são de ação mais lenta do que outros tipos de drogas. Qualquer pessoa que tome esses medicamentos deve ser monitorada quanto a complicações como pancreatite, hepatotoxicidade, redução da contagem de leucócitos e aumento do risco de infecção. Um teste genético conhecido como genotipagem de tiopurina metiltransferase (TMPT) pode ajudar a prever quem terá efeitos adversos graves dessas drogas (Newman 2011).

  • Ciclosporina Esta droga inibe as respostas imunes mediadas por células T, reduzindo assim a reação imunológica subjacente à inflamação. Bloqueia várias citocinas inflamatórias, incluindo TNF-α e várias interleucinas. Como a ciclosporina está associada a um risco significativo de toxicidade, seu uso é limitado à colite ulcerativa grave ou à doença de Crohn.
  • Metotrexato O metotrexato é usado em pacientes com doença de Crohn que são dependentes de esteróides ou não responderam a glicocorticoides (Preiss 2010). Pode ser administrado por via oral ou por injeções semanais sob a pele ou nos músculos (Xu 2004). O metotrexato é mais eficaz para a manutenção da remissão quando administrado por injeção (Patel 2009). Este medicamento também interfere no metabolismo do folato. O folato deve ser complementado com ele, particularmente para ajudar a prevenir o câncer colorretal, que essa droga promove de outra forma (Patel 2009; Coogan 2007).
  • Biológicos / inibidores de TNF. Durante os surtos, os níveis da citocina inflamatória TNF-α ficam elevados. Isto levou ao interesse em anticorpos como infliximab, adalimumab, certolizumab pegol e golimumab que bloqueiam o TNF-α. Todos estes demonstraram induzir e manter a remissão, incluindo cicatrização da mucosa e restauração da função de barreira intestinal (Malik 2012; Behm 2008; Gisbert 2006). No entanto, essas drogas são muito caras, não foram mostrados para evitar colectomia em colite ulcerativa grave (Aratari 2008), e podem causar doenças auto-imunes, câncer, infecções e síndromes de reativação viral, incluindo telhas (Colombel 2004).
    Os seguintes agentes imunossupressores também podem ser considerados: tacrolimus, micofenolato mofetil e talidomida.

Outras

  • Cromolyn sódico. Esta droga é modificada a partir do composto natural conhecido como quelina e funciona como um antiinflamatório estabilizador de mastócitos. Um ensaio clínico constatou que a administração diária de 200 mg de cromoglicato de sódio por 15 dias induziu remissão em quase todos os pacientes com colite ulcerativa, e isso foi mantido em 93% deles quando tomaram 240 mg diariamente por 2 a 3 anos (Malolepszy 1977) . Em outro estudo, o cromoglicato de sódio por via oral na dose de 1.500 mg diariamente aliviou a diarréia de forma mais eficaz do que uma dieta de eliminação (em que alimentos problemáticos são evitados) em pacientes com síndrome do intestino irritável (Stefanini, 1995). Isso indica que o cromoglicato pode melhorar a reatividade a alguns alimentos - um fator que possivelmente leva a uma inflamação na doença inflamatória intestinal. Como tantas vezes acontece com medicamentos que não são patenteados e, portanto, não são muito lucrativos, nenhuma empresa ou governo achou por bem financiar mais pesquisas sobre este medicamento seguro e barato para a doença inflamatória intestinal.
  • Naltrexona Originalmente desenvolvidos para ajudar no tratamento da dependência de heroína, doses mais baixas de naltrexona mostraram uma série de atividades imunológicas notáveis. Um estudo controlado por placebo sobre o uso de baixas doses de naltrexona (4,5 mg por dia na hora de dormir) sugeriu que a droga poderia resolver a inflamação da mucosa e induzir remissão clínica em pacientes com doença de Crohn moderada a grave (Smith 2011). Isso confirma um estudo anterior não controlado de baixa dose de eficácia da naltrexona para a doença de Crohn (Smith, 2007). A naltrexona parece aliviar a doença inflamatória intestinal, em parte, diminuindo a expressão de citocinas pró-inflamatórias e promovendo a reparação tecidual (Matters, 2008). Em doses baixas, a droga pode causar sonolência, mas outros efeitos colaterais são incomuns.

Cirurgia

Em casos graves da doença de Crohn, os abscessos podem se desenvolver em tecidos cronicamente inflamados. Esses abscessos podem crescer e escavar através de barreiras teciduais para produzir fístulas ou canais entre órgãos. Quase metade dos pacientes com doença de Crohn desenvolve doença perianal envolvendo fissuras anais, abscessos perianais e fístulas. Esses sintomas raramente respondem bem às terapias convencionais (Braunwald 2001; McNamara 2004). Cirurgia pode ser necessária em uma alta porcentagem desses pacientes (Danelli 2003). Complicações são freqüentes.

A cirurgia também pode ser recomendada para remover porções severamente inflamadas do trato intestinal. O objetivo da cirurgia é preservar o máximo possível do intestino. Cirurgia geralmente envolve o cólon ou intestino delgado. Ocasionalmente, o final do intestino que foi deixado no local precisará ser trazido para a superfície da pele para permitir a excreção de resíduos. Quando esse procedimento envolve o intestino delgado, é chamado de ileostomia. Se o procedimento envolve o cólon, é chamado de colostomia. Embora a doença de Crohn possa recorrer após a cirurgia, os sintomas tendem a ser menos graves e menos debilitantes do que eram anteriormente (Hwang 2008). Dietas elementares (nas quais moléculas simples como glicose e aminoácidos individuais substituem alimentos integrais) mostraram reduzir a recorrência da doença de Crohn quando empregadas após a cirurgia (Yamamoto 2007; Esaki 2005).

No entanto, foram desenvolvidas cirurgias mais recentes que podem preservar a continência fecal usando parte do íleo para criar uma bolsa que está conectada ao esfíncter retal intacto (Hwang 2008). Em uma revisão completa, o uso de suplementos probióticos foi capaz de reduzir significativamente a ocorrência de bolsite, ou inflamação do reservatório formado após a criação cirúrgica de uma bolsa ilio-anal, em 96% em comparação com placebo após a cirurgia entre pacientes com colite ulcerativa (Elahi 2008).

Considerações dietéticas e de estilo de vida

As mudanças no estilo de vida e a suplementação nutricional se combinam para promover uma digestão e absorção saudáveis, ao mesmo tempo em que reduzem a inflamação e os danos associados à doença inflamatória intestinal (DII).

Doença de Crohn

Como a aspirina aumenta o risco de doença de Crohn (mas não de colite ulcerativa), as pessoas com doença de Crohn devem considerar evitar a medicação (Chan 2011).

O trato gastrointestinal de indivíduos com doença de Crohn também pode ser excepcionalmente sensível aos efeitos negativos do tabagismo. Fumar entre aqueles diagnosticados com doença de Crohn pode aumentar o risco de surtos, impedir a remissão e aumentar a gravidade geral da condição, exigindo tratamentos mais invasivos (Johnson 2005). As etapas a seguir podem ajudar os pacientes com doença de Crohn a reduzir primeiro os sintomas e, em seguida, iniciar o reparo a longo prazo dos danos causados ​​por sua doença:

Evite alimentos problemáticos. Remova todos os alimentos que precipitam os sintomas. Em um estudo de pacientes com doença de Crohn, uma dieta elementar foi seguida por reintrodução de alimentos com um novo alimento por dia. Se qualquer reintrodução de alimentos levou a sintomas como diarréia ou dor, eles foram excluídos. Essa abordagem foi mais eficaz do que os glicocorticóides na prevenção da recidiva da doença de Crohn neste estudo (Riordan, 1993). Uma dieta experimental de carne orgânica, espelta, manteiga e chá orgânico foi considerada superior a uma dieta pobre em gorduras, rica em carboidratos e pobre em fibras para pessoas com doença de Crohn (Bartel, 2008). Remissão em longo prazo foi alcançada em 31% dos pacientes com Crohn em um estudo usando apenas uma dieta de eliminação (Giaffer, 1991). Outra evidência sugere que os pacientes com doença de Crohn são mais reativos a certos alimentos (Brown 2010; Van Den Bogaerde 2002). Algumas pesquisas sugerem que uma dieta reduzida de carboidratos (84 g / dia) pode estar associada a melhores resultados na doença de Crohn (Lorenz-Meyer, 1996). Além disso, níveis elevados de gorduras trans foram encontrados no tecido adiposo (gordura) de pessoas com doença de Crohn (Heckers, 1988; Lorenz-Meyer, 1996). A levedura de Baker deve ser evitada naqueles com anticorpos de levedura elevados e foi demonstrado que ela agrava a doença de Crohn em algumas pesquisas (Barclay, 1992).

Após uma dieta baseada em testes de anticorpos IgG no sangue para sensibilidades alimentares, foi demonstrado que reduz a frequência das fezes nos pacientes com doença de Crohn (Bentz 2010). Em um estudo, os sintomas da doença de Crohn mostraram-se agravados por diversos alimentos, diferindo entre os participantes do estudo. A eliminação dos alimentos problemáticos foi útil numa base individual, mas os alimentos incômodos não foram os mesmos para todos os participantes, ressaltando a necessidade de identificar alimentos específicos que causam sintomas (Triggs 2010). Mais informações sobre testes de alergias e sensibilidades alimentares estão disponíveis no protocolo Allergies.

Suplemento para corrigir possíveis insuficiências nutricionais. As dietas da maioria dos pacientes com DII são deficientes em uma ou mais vitaminas ou minerais (Tighe 2011). As deficiências de vitamina D e vitamina K são freqüentemente encontradas em pessoas com doença de Crohn, assim como deficiências em ferro, vitamina B6, caroteno, vitamina B12 e albumina (proteína). (Nakajima 2011; Vagianos 2007; Siffledeen 2003). Pacientes com doença de Crohn geralmente estão sob maior estresse oxidativo e têm níveis mais baixos de vitaminas antioxidantes. A suplementação com vitaminas C e E reduz o estresse oxidativo (Aghdassi 2003).

Equilíbrio da microbiota intestinal. Um intestino normal e saudável contém cerca de 100 trilhões de microrganismos (Tsai 2009). Em um intestino doente, essas bactérias muitas vezes não estão presentes em quantidades adequadas e / ou foram substituídas por organismos patogênicos. A microbiota de equilíbrio consiste em tomar misturas de bactérias amigáveis ​​(probióticos), que podem incluir Bifidobacteria e Lactobacilli para promover o repovoamento contínuo com essas bactérias benéficas (Zigra 2007). A levedura probiótica Saccharomyces boulardii também pode ser considerada. O papel dos probióticos nas doenças inflamatórias intestinais é exposto abaixo.

Em crianças e adolescentes que têm doença de Crohn, uma dieta semi-elementar tem se mostrado tão eficaz quanto os glicocorticóides na manutenção das remissões (Scholz 2011). Em um estudo sobre DII, 44% da população do estudo entrou em remissão por consumir uma dieta elementar (Axelsson, 1977; Belli, 1988). Uma dieta elementar também demonstrou diminuir os parâmetros inflamatórios no tecido intestinal da DII. A dieta elementar também reduz a permeabilidade intestinal naqueles com doença de Crohn (Meister 2002; Teahon 1991). Quando combinada com a eliminação individualizada de fatores desencadeantes de alimentos, as dietas elementares reduzem a taxa de recidiva da doença de Crohn (Jones, 1987). Em outro estudo envolvendo 268 pacientes com doença de Crohn, uma dieta elementar foi associada a uma taxa reduzida de hospitalização (Watanabe 2010).

Aqueles que usam dietas elementares convencionais são às vezes notados como tendo deficiências de micronutrientes, como o selênio (Kuroki 2003). Portanto, a suplementação com um multivitamínico / mineral de alta qualidade, entre outros nutrientes discutidos abaixo, pode ser pertinente.

Colite ulcerativa

As bactérias redutoras de sulfato (SRB) têm sido implicadas no desenvolvimento de colite ulcerativa através dos efeitos nocivos do sulfeto de hidrogênio, um produto residual de sua respiração (Rowan 2009; Pitcher 1996). O sulfeto de hidrogênio é tóxico para as células do revestimento do cólon e está associado à colite ulcerativa. O sulfeto de hidrogênio pode, em particular, interferir no metabolismo do butirato, um nutriente crítico para as células do cólon produzidas por bactérias benéficas (Roediger, 1997). Além disso, uma maior exposição à poluição do ar com dióxido de enxofre foi associada a taxas mais altas de colite ulcerativa em um estudo (Kaplan 2010). A colite ulcerativa também foi associada a uma maior ingestão dietética de alimentos contendo enxofre. A remoção de alimentos ricos em aminoácidos contendo enxofre (como leite, ovos e queijo) está associada a benefícios na colite ulcerativa (Jowett 2004; Roediger 1998; Wright 1965).

Terapia Nutricional e Alternativa

Os intestinos inflamados podem não absorver adequadamente os nutrientes. Portanto, pessoas com DII são propensas a desnutrição e deficiências vitamínicas (Alastair 2011; Mortimore 2010; Campos 2003; Goh 2003).

Probióticos A variação na população de microorganismos no trato digestivo é capaz de alterar a função das células imunes local e sistemicamente. Um estudo descreve um novo organismo probiótico que pode produzir diretamente a interleucina-10 (IL-10), uma citocina anti-inflamatória que promove a tolerância imunológica (de Moreno de Leblanc 2011; Lavasani 2010; Chin 2004). Além disso, a ingestão de bactérias probióticas pode atenuar os efeitos de bactérias patogênicas através de vários mecanismos, incluindo competir pela ligação do receptor epitelial e melhorar a função de barreira do intestino (de Moreno de Leblanc 2011; Fedorak 2004; Furrie 2004). Alguns probióticos também produzem butirato - um ácido graxo de cadeia curta importante para a saúde das células dentro da parede do cólon (ver abaixo) (Sartor 2011).

Ensaios clínicos do uso de probióticos em populações de DII indicaram efeitos benéficos. A duração dos ensaios e organismos empregados variou, mas houve vários exemplos de resultados positivos (Rogler 2011). Um estudo de 2011 usando um probiótico (Bifidobacterium breve), bem como um prebiótico (galacto-oligossacarídeo), demonstrou uma melhora significativa no estado clínico das pessoas com colite ulcerativa (Ishikawa 2011). Ensaios clínicos na doença de Crohn mostraram que os suplementos que fornecem 50 bilhões de organismos por dia ou mais melhoram a saúde intestinal (Fujimori 2007; Karimi, et al. 2005). Em um ensaio, o alívio foi tão grande para dois indivíduos que foram capazes de descontinuar a medicação com glicocorticóides (Fujimori 2007). Outra pesquisa sugere que os probióticos podem suprimir a probabilidade de desenvolvimento de câncer colorretal, uma grande preocupação para os pacientes com DII (Azcarate-Peril 2011).

Outro organismo que se mostrou promissor na IBD é Saccharomyces boulardii - uma levedura probiótica. Vários estudos comprovaram a eficácia do S. boulardii para melhorar a diarréia infecciosa e outros problemas gastrointestinais (Dinleyici 2012). Além disso, especificamente relevante para DII, S. boulardii parece modular a resposta inflamatória no epitélio intestinal, reduzindo o TNF-α e IL-6 (Thomas 2011). Este mesmo estudo mostrou que o S. boulardii promove a reparação do tecido intestinal e a tolerância imunológica em amostras celulares de pacientes com DII. Em um ensaio clínico randomizado, controlado por placebo, S. boulardii diminuiu a permeabilidade intestinal em pacientes com doença de Crohn quando foi adicionado à terapia convencional (Garcia Vilela 2008). A suplementação com S. boulardii parece ser geralmente segura e eficaz em vários estados patológicos (McFarland 2010).

Bacteriófagos e DII

Bacteriófagos, ou fagos, são vírus que atacam bactérias. Eles são os organismos mais abundantes no planeta e estima-se que o trato digestivo humano contenha 1015 bacteriófagos (Babickova 2015; McCarville 2016; Clokie 2011). Os bacteriófagos intestinais parecem desempenhar um papel importante na ecologia da comunidade microbiana do intestino, incluindo a injeção de material genético viral em bactérias específicas e, em alguns casos, causando sua morte rápida (McCarville 2016; Belizario 2015; Clokie 2011). Apesar de sua abundância, até recentemente os bacteriófagos haviam recebido relativamente pouca atenção em pesquisa (McCarville 2016; Clokie 2011). Evidências emergentes sugerem que os bacteriófagos têm potencial terapêutico para o tratamento da doença inflamatória intestinal (McCarville 2016; Babickova 2015).

Os bacteriófagos parecem modular a atividade imunológica e podem afetar a inflamação no revestimento intestinal. Padrões específicos de doença de populações de bacteriófagos foram observados em indivíduos com doença inflamatória intestinal e diferem significativamente daqueles observados em indivíduos saudáveis ​​(Norman 2015; Wang 2015); além disso, a abundância de certos bacteriófagos foi encontrada em um estudo relacionada a níveis reduzidos de alguns tipos de bactérias (Norman 2015).

A terapia com bacteriófagos pode ser mais segura do que a terapia com antibióticos, em parte porque causa uma interrupção mínima da flora intestinal normal (Loc-Carrillo 2011). Num estudo de segurança, a suplementação oral com um bacteriófago dirigido à bactéria intestinal E. coli levou à presença detectável destes bacteriófagos nas fezes de voluntários saudáveis, mas a sua presença deixou de ser detectável no prazo de uma semana após o término da suplementação. Os números de bactérias não patogênicas de E. coli permaneceram inalterados, e nenhum efeito colateral adverso foi observado (Bruttin 2005). Da mesma forma, em um estudo em adultos saudáveis ​​que receberam um coquetel de nove bacteriófagos de E. coli, nenhuma E. coli foi detectada em amostras de fezes coletadas imediatamente após a administração do fago, e nenhum efeito adverso foi relatado ou detectado no sangue, fígado e rim. testes (Sarker 2012).

Ácidos gordurosos de omega-3. Os dois mais importantes omega-3, ácido eicosapentaenóico (EPA) e ácido docosahexaenóico (DHA), são encontrados em peixes de água fria (Deckelbaum 2012). Os ácidos graxos ômega-3 são poderosos agentes imunorreguladores que reduzem as citocinas inflamatórias circulantes e diminuem a citotoxicidade das células natural killer (Iwami 2011; Almallah 1998; Hillier 1991; Ross 1993; Steinhart 1997). Além disso, em um estudo com animais, o ácido α-linolênico (um ácido graxo ômega-3 derivado de plantas) suprimiu a expressão de moléculas de adesão, que são importantes na inflamação, respostas imunes e em eventos de sinalização intracelular (Golias 2011; Ibrahim 2012).

Em ensaios clínicos, a suplementação de óleo de peixe melhora o perfil de ácidos graxos em pacientes com doença de Crohn e colite ulcerativa e está associada a níveis mais baixos de mediadores inflamatórios (Uchiyama 2010; Stenson 1992; Aslan 1992). Essas mudanças têm alguma correlação com a remissão de surtos de doenças (Wiese 2011; Hawthorne 1992). O óleo de peixe também pode reduzir a dose de medicamentos glicocorticóides necessários para causar uma remissão (Hawthorne 1992). Verificou-se que o óleo de peixe com revestimento entérico é útil em um estudo com pacientes com doença de Crohn, reduzindo a taxa de recaída (Belluzzi, 1996).

A maioria dos americanos tem altos índices de ômega-6 e ômega-3 no sangue - um desequilíbrio fortemente associado a doenças inflamatórias (Simopoulos 2011). Life Extension recomenda que a relação ômega-6 e ômega-3 seja mantida abaixo de 4: 1 para uma saúde ótima (Simopoulos 2002); isso pode ser especialmente importante para pacientes com DII. Você pode avaliar a sua relação ômega-6 a ômega-3 usando um teste de sangue conveniente chamado teste Omega Check ™.

A vitamina D é outro poderoso imunomodulador. Modelos experimentais mostraram que as células T expressam um receptor da vitamina D, e que a falta de sinalização da vitamina D faz com que as células T produzam níveis mais altos de citocinas inflamatórias. Além disso, a vitamina D é necessária para o desenvolvimento de subgrupos de células Treg que são importantes na supressão da inflamação, especificamente no intestino (Chambers 2011; Ooi 2012). Pacientes com DII frequentemente apresentam baixos níveis de vitamina D, como revelado pelos baixos níveis de 25-hidroxivitamina D sérica (Jahnsen 2002). Muitas outras linhas de evidência conectam baixos níveis de vitamina D com o IBD também (Wang 2010; Lim 2005). A administração de 25-hidroxivitamina D3 ou calcitriol (vitamina D3 totalmente ativada, disponível apenas com receita médica) diminuiu as medidas de inflamação e melhorou a saúde óssea em 37 pacientes com doença de Crohn em remissão (Miheller 2009). Tomar 1.200 UI de vitamina D3 por dia mostrou uma tendência a uma menor taxa de recaída (de 29% para 13% [P = 0.06]) comparado ao placebo em um estudo duplo-cego envolvendo 94 pacientes com doença de Crohn em remissão (Jorgensen 2010). Além disso, a perda óssea é uma grande preocupação para os pacientes com DII - tanto a doença quanto os glicocorticóides usados ​​para tratá-la contribuem para a saúde óssea deficiente. A suplementação com vitamina D mostrou manter a densidade óssea na doença de Crohn (Abitbol 2002).

Life Extension sugere a manutenção de níveis de 25-hidroxivitamina D dentro da faixa de 50 - 80 ng / mL. Testar seu nível de vitamina D no sangue é barato e conveniente. Um exame de sangue de 25-hidroxivitamina D deve ser realizado regularmente por aqueles que suplementam com vitamina D para garantir que permaneçam na faixa ideal.

Antioxidantes A digestão normal produz uma série de espécies reativas de oxigênio e nitrogênio (também conhecidas como radicais livres), contra as quais a mucosa intestinal mantém um extenso sistema de defesa de antioxidantes. Quando apresentada com estresse oxidativo excessivo, no entanto, a barreira mucosa pode sofrer danos e tornar-se permeável, preparando o cenário para a inflamação (Almenier 2012; Koutroubakis 2004).

Além disso, a própria inflamação produz grandes quantidades de espécies reativas, e um ciclo destrutivo pode ser perpetuado. Em pacientes com DII, há altos níveis de espécies reativas de oxigênio nos intestinos, o que contribui para os danos causados ​​pela doença (Almeiner 2012). Em um estudo, a capacidade antioxidante de indivíduos com DII foi significativamente menor do que aqueles sem a doença (Kruidenier 2003). Algumas pesquisas mostraram que uma combinação antioxidante de vitamina A, vitamina C, vitamina E e selênio em combinação com óleo de peixe pode reduzir certos marcadores inflamatórios na doença de Crohn (Trebble 2004, 2005). Além disso, pacientes com DII apresentavam níveis significativamente mais baixos de carotenóides e vitamina C no sangue (Hengstermann, 2008).

Curcumina. A eficácia da curcumina do extrato de cúrcuma como um agente anti-inflamatório em uma variedade de configurações é bem documentada. Entre seus múltiplos efeitos, destaca-se a inibição da sinalização do fator nuclear kappa-B (NF-kB). O NF-kB é uma proteína sinalizadora que impulsiona a produção de inúmeras citocinas inflamatórias, incluindo interleucina-1b (IL-1b) e interleucina-6 (IL-6). Como o NF-kB e citocinas relacionadas são centrais na patologia da DII, a curcumina tem sido investigada como uma intervenção (Taylor 2011). Em um estudo, a curcumina ajudou a reduzir os sintomas da doença de Crohn e da colite ulcerativa em um pequeno grupo de pacientes, muitos dos quais conseguiram descontinuar os aminossalicilatos e / ou os glicocorticóides (Holt 2005; Taylor 2011). A curcumina associada a aminossalicilatos reduziu a recorrência de crises agudas e a gravidade dos sintomas em comparação com placebo e aminosalicilatos em um grupo de 82 pacientes com colite ulcerativa. No grupo de curcumina, a taxa de recidiva durante 6 meses de terapia foi de 4,6%, enquanto no grupo controle foi superior a 20% (Hanai 2006).

Boswellia. A resina do gênero Boswellia da árvore contém um poderoso composto anti-inflamatório chamado ácido acetil-11-ceto-β-boswellic (AKBA). Um ensaio clínico duplo-cego descobriu que a boswellia era tão eficaz quanto a mesalamina na melhora dos sintomas da doença de Crohn, com muito menos efeitos colaterais (Gerhardt, 2001). Um estudo também encontrou a boswellia tão eficaz quanto a sulfasalazina para induzir a remissão da colite ulcerativa em 30 pacientes (Gupta, 2001). Isso confirmou um relato anterior de eficácia da boswellia em pacientes com colite ulcerativa (Gupta, 1997). No entanto, outro estudo duplo-cego envolvendo 108 pacientes com doença de Crohn não encontrou boswellia superior ao placebo para manter a remissão (Holtmeier 2011). Um extrato melhorado chamado AprèsFlex ™, ou Aflapin®, que combina AKBA com outros óleos de boswellia não voláteis, demonstrou uma atividade antiinflamatória melhorada em uma concentração mais baixa quando comparado a outras preparações padronizadas para a mesma porcentagem de AKBA (Sengupta 2011).

Absinto. Um extrato padronizado de absinto (Artemisia absinthium), uma erva amarga nativa da região do Mediterrâneo, foi estudado em pacientes com doença de Crohn. Comparado ao placebo, foi muito mais eficaz em manter a remissão em pacientes que reduziram seus medicamentos (Omer, 2007). A razão para isso pode ser porque o absinto bloqueia o TNF-α (Krebs 2010), uma potente citocina pró-inflamatória.

Gel de aloe. O gel mucilaginoso encontrado no interior das folhas de aloe tem sido usado tradicionalmente para a colite ulcerativa por muitos anos. Um estudo duplo-cego, randomizado, descobriu que o aloe gel em uma dose de 3 oz duas vezes ao dia terminou erupções agudas em pacientes com colite ulcerativa melhor do que placebo, sem efeitos adversos (Langmead 2004a). As propriedades imunomoduladoras do gel de aloé, a cura do intestino e a capacidade de inibir a inflamação podem desempenhar um papel importante em sua eficácia (Langmead, 2004b).

Selênio. O selênio é um oligoelemento essencial para o funcionamento de várias enzimas dependentes de selênio. A deficiência de selênio é comum em pessoas com DII (Geerling, 2000a; Hinks, 1988; Ojuawo, 2002). A suplementação ajuda a aliviar este problema, com base tanto no aumento do selênio sérico quanto na melhora da função da glutationa peroxidase (Geerling, 2000b).

Butirato. Butirato (também conhecido como ácido butírico) é um ácido graxo de cadeia curta produzido quando a fibra intestinal é metabolizada por certas bactérias. Modelos experimentais demonstraram que o butirato oral melhora a inflamação na colite ulcerativa (Vieira 2011). Um mecanismo pelo qual o butirato pode funcionar é inibir a ativação do fator nuclear do componente de sinalização celular pró-inflamatório kappa B (NF-kB) (Segain 2000). Em ensaios clínicos, o butirato oral proporcionou alívio tanto na colite de Crohn como na ulcerativa (Assisi 2008; Di Sabatino 2005). Em um ensaio, quase 70% dos indivíduos com doença de Crohn responderam a uma dose de 4 gramas de comprimidos de butirato com revestimento entérico por dia durante 8 semanas. Desses respondedores, 53% alcançaram a remissão e seus níveis de NF-kB e um outro fator inflamatório - IL-1b - diminuiu significativamente (Di Sabatino 2005).

L-carnitina. O aminoácido carnitina é necessário para o metabolismo celular adequado, e os níveis insuficientes de carnitina afetam particularmente as células que requerem uma grande quantidade de energia, como as do sistema imunológico. Diversos experimentos mostraram que a carnitina modula a produção de mediadores inflamatórios e que os níveis insuficientes de carnitina estão associados à maior produção de citocinas inflamatórias (Abd-Allah 2009; Buyse 2007). De fato, em um ensaio clínico envolvendo 36 pacientes em diálise, a suplementação de 1 grama por dia L-carnitina levou a uma redução de 29% nos níveis de PCR e uma redução de 61% nos níveis de IL-6 (Shakeri 2010). Com relação ao intestino, a L-carnitina diminuiu significativamente a resposta inflamatória à privação de oxigênio e restauração no tecido intestinal em um modelo animal (Yuan 2011). Em um estudo randomizado, controlado por placebo, envolvendo 121 indivíduos com colite ulcerativa, a propionil-L-carnitina, em 1 ou 2 gramas diárias, levou a taxas de remissão maiores do que o placebo quando adicionado à terapia convencional (Mikhailova 2011). No grupo que recebeu 1 grama de carnitina por dia, a taxa de remissão foi de 55%, enquanto no grupo placebo foi de apenas 35%.

A glutamina é um aminoácido condicionalmente essencial e o principal combustível para os enterócitos (células absortivas intestinais). A suplementação oral de glutamina pode estabilizar a permeabilidade intestinal e a integridade da mucosa (Den Hond, 1999). Um estudo demonstrou que a glutamina pode ajudar a melhorar o fluxo sanguíneo capilar em segmentos inflamados do cólon em animais com colite (Kruschewski, 1998). Além disso, os níveis de glutamina são baixos em pessoas com doença de Crohn moderada a grave (Sido 2006). Em um ensaio clínico randomizado, uma dose diária de glutamina de 0,5 g / kg de peso corpóreo durante 2 meses diminuiu a permeabilidade intestinal e melhorou a morfologia em pacientes com doença de Crohn (Benjamin 2011). No entanto, o benefício clínico da suplementação de glutamina pode ser limitado a períodos de remissão, como outro estudo descobriu que a suplementação de glutamina durante um surto de doença não melhorou a permeabilidade intestinal (Ockenga 2005).

Melatonina Embora a melatonina seja conhecida como um hormônio que ajuda a sincronizar os ciclos de sono-vigília, também se demonstrou que ela é produzida no trato digestivo em quantidades muito maiores que no cérebro (Bubenik 2002). A melatonina reduz os níveis de TNF-α (Johe 2005). Numerosos estudos in vitro e em animais sugeriram que a melatonina pode reduzir a inflamação na DII (Terry 2009). A síntese de melatonina aumenta em pacientes com DII e níveis mais altos estão associados a sintomas mais baixos, sugerindo que faz parte da tentativa do corpo de reduzir a inflamação excessiva (Boznanska 2007). Em um estudo duplo-cego de 60 pacientes com colite ulcerativa em tratamento com mesalazina, metade foi randomizada para tomar melatonina e metade para tomar placebo por um ano (Chojnacki 2011). Inflamação e sintomas clínicos aumentaram no grupo placebo, enquanto o grupo melatonina permaneceu em remissão. Isto confirma um estudo anterior, não controlado, mostrando que a melatonina foi útil para pacientes com doença de Crohn e colite ulcerativa (Rakhimova 2010). Porém, é necessário cautela - pelo menos um estudo de caso foi publicado no qual a melatonina causou um surto de colite ulcerativa que não respondeu aos glicocorticoides (Maldonado 2008).

A dehidroepiandrosterona (DHEA) desempenha um papel importante na prevenção da inflamação crônica e na manutenção da função imunológica saudável. Estudos publicados ligam baixos níveis de DHEA à inflamação crônica, e o DHEA tem mostrado suprimir os níveis de citocinas pró-inflamatórias e proteger contra seus efeitos tóxicos (Haden 2000; Head 2003). DHEA foi mostrado para suprimir os níveis de IL-6 prejudiciais (Andus 2003).

A deficiência de DHEA em doenças inflamatórias também implica uma deficiência no tecido periférico de vários hormônios sexuais para os quais o DHEA serve como um precursor. Esses hormônios, tanto estrogênicos quanto androgênicos, são conhecidos por terem efeitos benéficos nos músculos, ossos e vasos sangüíneos. No entanto, a terapia convencional com glicocorticóides reduz os níveis de andrógenos. Consequentemente, os pesquisadores argumentam que a reposição hormonal para pacientes que têm doenças inflamatórias crônicas deve incluir não apenas os glicocorticóides, mas também o DHEA (Andus 2003; Straub 2000).

Vitamina K. A vitamina K é usada pelo corpo para regular a coagulação do sangue. Uma deficiência em vitamina K pode resultar em hematomas ou sangramento. Pacientes com DII são freqüentemente deficientes em vitamina K. Um estudo mostrou que 31% dos pacientes com colite ulcerativa ou doença de Crohn tinham deficiência de vitamina K (Krasinski, 1985). A baixa atividade da vitamina K foi associada à maior atividade da doença de Crohn em um estudo (Nakajima 2011). A deficiência de vitamina K em pacientes com DII também está associada à menor densidade óssea (Nakajima 2011; Duggan 2004).

Fibra. A maior ingestão de fibra alimentar está relacionada à menor incidência da doença de Crohn (Hou 2011), enquanto o maior consumo de açúcar está associado ao aumento do risco (Sakamoto 2005). Foi demonstrado que uma dieta pobre em açúcar refinado e rica em fibras dietéticas tem um efeito favorável no curso da doença de Crohn e não leva à obstrução intestinal em comparação com uma dieta normal (Heaton, 1979).

A fermentação da fibra alimentar pelas bactérias intestinais é a principal fonte de ácidos graxos de cadeia curta, como o butirato, e vários estudos mostraram que as fibras vegetais são úteis na prevenção de erupções cutâneas de colite ulcerativa (Hanai 2004).

Risco de Folato e Câncer de Cólon na Colite Ulcerativa

Pessoas com colite ulcerativa estão em maior risco de câncer de cólon (Mitamura 2002). Supõe-se que a inflamação crônica é o que causa câncer na colite ulcerativa. Isto é apoiado pelo fato de que o risco de câncer de cólon aumenta com a longa duração da colite, maior extensão anatômica da colite e a presença concomitante de outras manifestações inflamatórias (Itzkowitz 2004). Deficiência de folato e um aumento do nível de homocisteína têm sido associados a um maior risco de câncer de cólon em DII (Phelip 2008).

Em uma revisão abrangente envolvendo dados de 13 estudos e mais de 725.000 indivíduos, cada aumento de 100 mcg / dia na ingestão de folato foi associado a uma redução de 2% no risco de câncer de cólon (Kim 2010). Outras evidências destacam várias maneiras pelas quais o folato pode proteger contra o câncer de cólon na colite ulcerativa (Biasco 2005). No entanto, os dados são conflitantes, pois outros estudos chegaram a conclusões diferentes. Por exemplo - outra revisão descobriu que a suplementação de ácido fólico a longo prazo estava associada ao aumento do risco de câncer de cólon (Fife 2011).

Deficiências em folato e B12 são frequentemente observadas no IBD (Yakut 2010). Completar a dieta com vitamina B12 permite que o corpo metabolize melhor o folato e evita a mascaração de uma deficiência de vitamina B12. A suplementação com vitamina B12 é importante, particularmente para os idosos (quando menos absorvidos) e para os vegetarianos, especialmente os veganos, que recebem pouca vitamina B12 em sua dieta. Mais informações estão disponíveis no protocolo do Câncer Colorretal.

Doença Inflamatória Intestinal e Níveis Elevados de Homocisteína

A number of studies have shown that patients with IBD are more likely to have elevated homocysteine levels. A comprehensive review of published studies found that the risk of having high homocysteine levels was over four times greater in IBD patients compared to controls (Oussalah 2011). In one study, more than 55 percent of patients with IBD had elevated homocysteine levels (Roblin 2006). The greatest risk factor for elevated homocysteine in patients with IBD is reduced folate levels (Zezos 2005). Vitamin B12 deficiencies are also frequently encountered (Mahmood 2005).

The elevated homocysteine level that is typical in patients with IBD contributes to a 3-fold higher risk of blood clots and vascular disease (Fernandez-Miranda 2005; Srirajaskanthan 2005). It also helps explain why patients with IBD are more likely to have early atherosclerosis (Papa 2005).

Certain drugs used to treat IBD, such as methotrexate, are antimetabolites for folic acid, which may help explain why so many patients are deficient in folic acid. Supplementation of folic acid reduces adverse effects caused by methotrexate as well (Patel 2009).

Genetic studies have found that alterations in folate metabolism are associated with IBD (Zintzaras 2010). Therefore, IBD patients may benefit from supplementation with 5-methyltetrahydrofolate, the active form of the nutrient.

More information about managing homocysteine levels is available in the Homocysteine Reduction protocol.

Doença Inflamatória Intestinal e Perda Óssea

A osteoporose é uma complicação grave do DII que não recebeu reconhecimento adequado, apesar de sua alta prevalência e efeitos potencialmente devastadores (Etzel 2011; Harpavat 2004). A osteoporose pode ser causada pela própria DII, ou pode ser um efeito adverso do tratamento com glicocorticóides. Dados derivados de uma pesquisa retrospectiva de 245 pacientes com DII sugerem que a prevalência de fraturas ósseas em pessoas com colite ulcerativa e doença de Crohn é inesperadamente alta, particularmente em pacientes que têm uma longa duração da doença, freqüentes fases ativas e altas doses cumulativas de ingestão de glicocorticóides (Miheller 2010; Agrawal 2011). Níveis baixos de vitamina D e K também foram correlacionados com taxas mais altas de osteoporose em pacientes com DII (Kuwabara 2009). Medidas de densidade óssea para prever risco de fratura e definir limiares para prevenção e tratamento devem ser realizadas rotineiramente em pacientes com DII (Rogler 2004). Os glicocorticóides também podem contribuir para o risco de osteoporose devido aos seus efeitos no metabolismo do cálcio e do osso. Os glucocorticóides suprimem a absorção de cálcio no intestino delgado, aumentam a excreção de cálcio pelos rins e alteram o metabolismo das proteínas. Pacientes com doença de Crohn que tomam glicocorticóides têm um risco maior de fraturas em comparação com aqueles que não o fazem (Bernstein 2003). Nutrientes que podem ajudar a proteger contra a perda óssea incluem cálcio, magnésio, vitamina D e vitamina K. Para mais informações, consulte o protocolo de osteoporose.

Doença Inflamatória Intestinal e risco de coágulos sanguíneos

Os pacientes com doença intestinal inflamatória apresentam risco aumentado de formação de coágulos sanguíneos - principalmente tromboembolismo venoso (Kappelman 2011; Solem 2004; Sonoda 2004). Esses coágulos podem se soltar e se alojar nos vasos sangüíneos nos pulmões, causando potencialmente a morte. Além disso, o uso de glicocorticoides por pacientes com DII potencializa a propensão à coagulação (Kappelman 2011). A medicina convencional muitas vezes depende da varfarina ou heparina para mitigar o risco trombótico em pacientes com DII, mas essas drogas são propensas a causar efeitos colaterais negativos e requerem monitoramento clínico (Koutroubakis 2005). Vitamina E, vitamina D e resveratrol podem ajudar a compensar o risco de coagulação em pacientes com DII, embora faltem estudos clínicos específicos (Phang, 2011). Os pacientes com DII devem rever o protocolo de prevenção de coágulos sanguíneos para uma discussão mais aprofundada das estratégias para reduzir o risco de coágulos sanguíneos.

Referências

  1. Abd-Allah AR et al. Pro-inflammatory and oxidative stress pathways which compromise sperm motility and survival may be altered by L-carnitine. Oxid Med Cell Longev. 2009 Apr-Jun;2(2):73-81.
  2. Abitbol V et al. Osteoporosis in inflammatory bowel disease: effect of calcium and vitamin D with or without fluoride. Aliment Pharmacol Ther. 2002 May;16(5):919-27.
  3. Abraham C and Cho JH. Inflammatory bowel disease. N Engl J Med. 2009 Nov 19;361(21):2066-78.
  4. Aghdassi E, Wendland BE, et al. Antioxidant vitamin supplementation in Crohn's disease decreases oxidative stress: a randomized controlled trial. Am J Gastroenterol. 2003 Feb;98(2):348-53.
  5. Agrawal M et al. Bone, inflammation, and inflammatory bowel disease. Curr Osteoporos Rep. 2011 Dec;9(4):251-7.
  6. Alastair F et al. Nutrition in inflammatory bowel disease. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2011 Sep;35(5):571-80. Epub 2011 Aug 8.
  7. Almallah YZ et al. Distal procto-colitis, natural cytotoxicity, and essential fatty acids. Am J Gastroenterol. 1998 May;93(5):804-9.
  8. Almeiner HA, Al Menshawy HH, Maher MM, Al Gamal S. Oxidative stress and inflammatory bowel disease. Front Biosci 2012;E4:1335-44.
  9. Andus T, Klebl F, et al. Patients with refractory Crohn's disease or ulcerative colitis respond to dehydroepiandrosterone: a pilot study. Aliment Pharmacol Ther. 2003 Feb;17(3):409-14.
  10. Aratari A, Papi C, et al. Colectomy rate in acute severe ulcerative colitis in the infliximab era. Dig Liv Dis 2008;40:821-6.
  11. Aslan A et al. Fish oil fatty acid supplementation in active ulcerative colitis: a double-blind, placebo-controlled, crossover study. Am J Gastroenterol. 1992 Apr;87(4):432-7.
  12. Assisi RF; GISDI Study Group. Combined butyric acid/mesalazine treatment in ulcerative colitis with mild-moderate activity. Results of a multicentre pilot study. Minerva Gastroenterol Dietol 2008;54(3):231-8.
  13. Axelsson C and Jarnum S. Assessment of the therapeutic value of an elemental diet in chronic inflammatory bowel disease. Scand J Gastroenterol. 1977;12(1):89-95.
  14. Azcarate-Peril Ma et al. The intestinal microbiota, gastrointestinal environment and colorectal cancer: a putative role for probiotics in prevention of colorectal cancer? Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol. 2011 Sep;301(3):G401-24. Epub 2011 Jun 23.
  15. Babickova J, Gardlik R. Pathological and therapeutic interactions between bacteriophages, microbes and the host in inflammatory bowel disease. World journal of gastroenterology: WJG. Oct 28 2015;21(40):11321-11330.
  16. Barclay GR, McKenzie H, et al. The effect of dietary yeast on the activity of stable chronic Crohn's disease. Scand J Gastroenterol 1992;27:196-200.
  17. Bartel G, Weiss I, et al. Ingested matter affects intestinal lesions in Crohn’s disease. Inflamm Bowel Dis 2008;14:374-82.
  18. Bebb JR, Scott BB. How effective are the usual treatments for Crohn's disease? Aliment Pharmacol Ther. 2004 Jul 15;20(2):151-9.
  19. Behm BW, Bickston SJ. Tumor necrosis factor-alpha antibody for maintenance of remission in Crohn’s disease. Cochrane Database System Rev 2008;(1):CD006893.
  20. Belizario JE, Napolitano M. Human microbiomes and their roles in dysbiosis, common diseases, and novel therapeutic approaches. Front Microbiol.2015;6:1050.
  21. Belli DC et al. Chronic intermittent elemental diet improves growth failure in children with Crohn's disease. Gastroenterology. 1988 Mar;94(3):603-10.
  22. Belluzzi A, Brignola C, et al. Effect of enteric-coated fish-oil preparation on relapses in Crohn's disease. N Engl J Med 1996;334(24):1557-60.
  23. Benjamin J et al. Glutamine and Whey Protein Improve Intestinal Permeability and Morphology in Patients with Crohn's Disease: A Randomized Controlled Trial. Dig Dis Sci. 2011 Oct 26. [Epub ahead of print]
  24. Bentz S, Hausmann M, et al. Clinical relevance of igg antibodies against food antigens in Crohn’s disease: a double-blind cross-over diet intervention study. Digestion 2010;81:252-64.
  25. Bernstein CN, Blanchard JF, Metge C, Yogendran M. The association between corticosteroid use and development of fractures among IBD patients in a population-based database. Am J Gastroenterol 2003;98(8):1797-801.
  26. Bernstein CN, Nugent Z, Blanchard JF. 5-Aminosalicylate is not chemoprophylactic for colorectal cancer in IBD: a population based study. Am J Gastroenterol 2011;106:731-6.
  27. Biasco G et al. Folate and prevention of colorectal cancer in ulcerative colitis. Eur J Cancer Prev. 2005 Aug;14(4):395-8.
  28. Boznanska P, Wichan P, et al. 24-hour urinary 6-hydroxymelatonin sulfate excretion in patients with ulcerative colitis. Pol Merkur Lekarski 2007;22(131):369-72 [in Polish].
  29. Braunwald E. Harrison's Principles of Internal Medicine. 15th ed. New York, NY: McGraw-Hill; 2001.
  30. Brown AC, Roy M. Does evidence exist to include dietary therapy in the treatment of Crohn's disease? Expert Rev Gastroenterol Hepatol 2010;4(2):191-215.
  31. Bruttin A, Brussow H. Human volunteers receiving Escherichia coli phage T4 orally: a safety test of phage therapy. Antimicrobial agents and chemotherapy.Jul 2005;49(7):2874-2878.
  32. Bubenik GA. Gastrointestinal melatonin: localization, function, and clinical relevance. Dig Dis Sci 2002;47(10):2336-48.
  33. Buyse J et al. Dietary L-carnitine supplementation enhances the lipopolysaccharide-induced acute phase protein response in broiler chickens. Vet Immunol Immunopathol. 2007 Jul 15;118(1-2):154-9. Epub 2007 May 3.
  34. Campos FG, Waitzberg DL, et al. Pharmacological nutrition in inflammatory bowel diseases. Nutr Hosp. 2003 Mar;18(2):57-64.
  35. Chambers ES et al. The impact of vitamin D on regulatory T cells. Curr Allergy Asthma Rep. 2011 Feb;11(1):29-36.
  36. Chan SSM, Luben R, et al. Aspirin in the aetiology of Crohn’s disease and ulcerative colitis: a European prospective cohort study. Aliment Pharmacol Ther 2011;34:649-55.
  37. Chibani-Chennoufi S, Sidoti J, Bruttin A, Kutter E, Sarker S, Brussow H. In vitro and in vivo bacteriolytic activities of Escherichia coli phages: implications for phage therapy. Antimicrob Agents Chemother.Jul 2004;48(7):2558-2569.
  38. Chin J. Intestinal microflora: negotiating health outcomes with the warring community within us. Asia Pac J Clin Nutr. 2004;13(suppl):S24-S25.
  39. Chojnacki C, Wisniewska-Jarosinska M, et al. Evaluation of melatonin effectiveness in the adjuvant treatment of ulcerative colitis. J Physiol Pharmacol 2011;62(3):327-34.
  40. Clokie MRJ, Millard AD, Letarov AV, Heaphy S. Phages in nature. Bacteriophage.Jan-Feb 2011;1(1):31-45.
  41. Colombel JF, Loftus EV Jr, et al. The safety profile of infliximab in patients with Crohn’s disease: the Mayo Clinic experience in 500 patients. Gastroenterology 2004;126;19-31.
  42. Coogan PF, Rosenberg L. The use of folic acid antagonists and the risk of colorectal cancer. Pharmacoepidemiol Drug Saf 2007;16(10):1111-9.
  43. Connerton PL, Timms AR, Connerton IF. Campylobacter bacteriophages and bacteriophage therapy. J Appl Microbiol.Aug 2011;111(2):255-265.
  44. Cosnes J. Can we modulate the clinical course of inflammatory bowel diseases by our current treatment strategies? Dig Dis 2009;27:516-21.
  45. Dalmasso M, Hill C, Ross RP. Exploiting gut bacteriophages for human health. Trends in microbiology.Jul 2014;22(7):399-405.
  46. Dalmasso M, Strain R, Neve H, Franz CM, Cousin FJ, Ross RP, Hill C. Three New Escherichia coli Phages from the Human Gut Show Promising Potential for Phage Therapy. PloS one.2016;11(6):e0156773.
  47. Danelli P, Bartolucci C, et al. Surgical options in the treatment of perianal Crohn's disease [in Italian]. Ann Ital Chir. 2003 Nov;74(6):635-40.
  48. de Moreno de Leblanc A et al. Importance of IL-10 modulation by probiotic microorganisms in gastrointestinal inflammatory diseases. SRN Gastroenterol. 2011;2011:892971. Epub 2011 Feb 8.
  49. Deckelbaum RJ et al. The omega-3 Fatty Acid nutritional landscape: health benefits and sources. J Nutr. 2012 Mar;142(3):587S-91S. Epub 2012 Feb 8.
  50. Den Hond E, Hiele M, et al. Effect of long-term oral glutamine supplements on small intestinal permeability in patients with Crohn's disease. JPEN J Parenter Enteral Nutr 1999;23(1):7-11.
  51. Di Sabatino A, Morera R, et al. Oral butyrate for mildly to moderately active Crohn's disease. Aliment Pharmacol Ther 2005;22(9):789-94.
  52. Dinleyici Ec et al. Effectiveness and safety of Saccharomyces boulardii for acute infectious diarrhea. Expert Opin Biol Ther. 2012 Feb 16. [Epub ahead of print]
  53. Duggan P, O'Brien M, Kiely M, et al. Vitamin K status in patients with Crohn's disease and relationship to bone turnover. Am J Gastroenterol 2004;99(11):2178-85.
  54. Elahi B, Nikfar S, et al. On the benefit of probiotics in the management of pouchitis in patients that underwent ileal pouch anal anastomosis: a meta-analysis of controlled clinical trials. Dig Dis Sci 2008;53(5):1278-84.
  55. Esaki M, Matsumoto T, et al. Preventive effect of nutritional therapy against postoperative recurrence of Crohn disease, with reference to findings determined by intra-operative enteroscopy. Scand J Gastroenterol 2005;40:1431-7.
  56. Etzel JP et al. Assessment and management of low bone density in inflammatory bowel disease and performance of professional society guidelines. Inflamm Bowel Dis. 2011 Jan 13. [Epub ahead of print]
  57. Fedorak RN, Madsen KL. Probiotics and the management of inflammatory bowel disease. Inflamm Bowel Dis. 2004 May;10(3):286-99.
  58. Feller ER, Ribaudo S, et al. Gynecologic aspects of Crohn's disease. Am Fam Physician. 2001 Nov 15;64(10):1725-8.
  59. Fernandez-Miranda C, Martinez Prieto M, et al. Hyperhomocysteinemia and methylenetetrahydrofolate reductase 677C-->T and 1298A-->C mutations in patients with inflammatory bowel disease. Rev Esp Enferm Dig. 2005 Jul;97(7):497-504.
  60. Fife J et al. Folic acid supplementation and colorectal cancer risk: a meta-analysis. Colorectal Dis. 2011 Feb;13(2):132-7. doi: 10.1111/j.1463-1318.2009.02089.x.
  61. Fujimori S, Tatsuguchi A, Gudis K, et al. High dose probiotic and prebiotic cotherapy for remission induction of active Crohn's disease. J Gastroenterol Hepatol. 2007;22(8):1199-204.
  62. Furrie E, Macfarlane S, et al. Systemic antibodies towards mucosal bacteria in ulcerative colitis and Crohn's disease differentially activate the innate immune response. Gut. 2004 Jan;53(1):91-8.
  63. Garcia Vilela E et al. Influence of Saccharomyces boulardii on the intestinal permeability of patients with Crohn's disease in remission. Scand J Gastroenterol. 2008;43(7):842-8.
  64. Geerling BJ, Badart-Smook A, Stockbrügger RW, Brummer RJ. Comprehensive nutritional status in recently diagnosed patients with inflammatory bowel disease compared with population controls. Eur J Clin Nutr 2000a;54(6):514-21.
  65. Geerling BJ, Badart-Smook A, van Deursen C, et al. Nutritional supplementation with N-3 fatty acids and antioxidants in patients with Crohn's disease in remission: effects on antioxidant status and fatty acid profile. Inflamm Bowel Dis 2000b;6(2):77-84.
  66. Gerhardt H, Seifert F, et al. Therapy of active Crohn disease with Boswellia serrata extract H 15. Z Gastroenterol 2001;39:11-7 [in German].
  67. Giaffer MH, Cann P, Holdsworth CD. Long-term effects of elemental and exclusion diets for Crohn's disease. Aliment Pharmacol Ther 1991;5(2):115-25.
  68. Gisbert JP, Gonzalez-Lama Y, Mate J. Systematic review: infliximab therapy in ulcerative colitis. Aliment Pharmacol Ther 2006;25:19-37.
  69. Goh J, O'Morain CA. Review article: nutrition and adult inflammatory bowel disease. Aliment Pharmacol Ther. 2003 Feb;17(3):307-20.
  70. Golias C et al. Physiology and pathophysiology of selectins, integrins, and IgSF cell adhesion molecules focusing on inflammation. A paradigm model on infectious endocarditis. ll Commun Adhes. 2011 Jun;18(3):19-32. Epub 2011 Sep 5.
  71. Gupta I, Parihar A, et al. Effects of Boswellia serrata gum resin in patients with ulcerative colitis. Eur J Med Res 1997;2:37-43.
  72. Gupta I, Parihar A, et al. Effects of gum resin of Boswellia serrata in patients with chronic colitis. Planta Med 2001;67:391–5.
  73. Haden ST, Glowacki J et al. Effects of age on serum dehydroepiandrosterone sulfate, IGF-I, and IL-6 levels in women. Calcif Tissue Int. 2000 Jun;66(6):414-8.
  74. Hanai H, Iida T, et al. Curcumin maintenance therapy for ulcerative colitis: Randomized, multicenter, double-blind, placebo-controlled trial. Clin Gastroenterol Hepatol 2006;4(12):1502-6.
  75. Hanai H, Kanauchi O, et al. Germinated barley foodstuff prolongs remission in patients with ulcerative colitis. Int J Mol Med 2004;13(5):643-7.
  76. Harpavat M, Keljo DJ et al. Metabolic bone disease in inflammatory bowel disease. J Clin Gastroenterol. 2004 Mar;38(3):218-24.
  77. Hawthorne AB, Daneshmend TK, et al. Treatment of ulcerative colitis with fish oil supplementation: a prospective 12 month randomised controlled trial. Gut 1992;33(7):922-8.
  78. Head KA et al. Inflammatory bowel disease Part 1: ulcerative colitis--pathophysiology and conventional and alternative treatment options. Altern Med Rev. 2003 Aug;8(3):247-83.
  79. Heaton KW, Thornton JR, Emmett PM. Treatment of Crohn's disease with an unrefined-carbohydrate, fiber-rich diet. Br Med J 1979;ii:764-6.
  80. Heckers H, Melcher FW, et al. Chemically prepared fats and Crohn disease: a pilot study of the occurrence of trans-fatty acids in the subcutaneous tissue of Crohn patients in comparison with healthy controls as a parameter of long-term fat intake. Z Gastroenterol. 1988;26(5):259-64.
  81. Hengstermann S et al. Altered status of antioxidant vitamins and fatty acids in patients with inactive inflammatory bowel disease. Clin Nutr. 2008 Aug;27(4):571-8. Epub 2008 Mar 7.
  82. Henriksen M, Jahnsen J, Lygren I, et al. C-reactive protein: a predictive factor and marker of inflammation in inflammatory bowel disease. Results from a prospective population-based study. Gut 2008;57(11):1518-23.
  83. Hillier K et al. Incorporation of fatty acids from fish oil and olive oil into colonic mucosal lipids and effects upon eicosanoid synthesis in inflammatory bowel disease. Gut 1991;32(10):1151-5.
  84. Hinks IJ, Inwards KD, Lloyd B, Clayton B. Reduced concentration of selenium in mild Crohn's disease. J Clin Pathol 1988;41:198-201.
  85. Holt PR et al. Curcumin therapy in inflammatory bowel disease: a pilot study. Dig Dis Sci. 2005 Nov;50(11):2191-3.
  86. Holtmeier W, Zeuzem S, et al. Randomized, placebo-controlled, double-blind trial of Boswellia serrata in maintaining remission of Crohn's disease: good safety profile but lack of efficacy. Inflamm Bowel Dis 2011;17(2):573-82.
  87. Homik J, Suarez-Almazor ME, et al. Calcium and vitamin D for corticosteroid-induced osteoporosis. Cochrane Database Syst Rev 2000;(2):CD000952.
  88. Hou JK et al. Dietary intake and risk of developing inflammatory bowel disease: a systematic review of the literature. Am J Gastroenterol. 2011 Apr;106(4):563-73.
  89. Hwang JM et al. Surgery for inflammatory bowel disease. World J Gastroenterol. 2008 May 7;14(17):2678-90.
  90. Ibrahim A et al. Dietary α-linolenic acid-rich formula reduces adhesion molecules in rats with experimental colitis. Nutrition. 2012 Jan 18. [Epub ahead of print]
  91. Ishikawa H et al. Beneficial effects of probiotic bifidobacterium and galacto-oligosaccharide in patients with ulcerative colitis: a randomized controlled study. Digestion. 2011;84(2):128-33. Epub 2011 Apr 28.
  92. Itzkowitz SH, Yio X. Inflammation and cancer IV. Colorectal cancer in inflammatory bowel disease: the role of inflammation. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol. 2004 Jul;287(1):G7-G17.
  93. Iwami D et al. Immunomodulatory effects of eicosapentaenoic acid through induction of regulatory T cells. Int Immunopharmacol. 2011 Mar;11(3):384-9. Epub 2010 Dec 18.
  94. Jahnsen J, Falch JA, et al. Vitamin D status, parathyroid hormone and bone mineral density in patients with inflammatory bowel disease. Scand J Gastroenterol 2002;37(2):192-9.
  95. Jaiswal A, Koley H, Ghosh A, Palit A, Sarkar B. Efficacy of cocktail phage therapy in treating Vibrio cholerae infection in rabbit model. Microbes Infect.Feb 2013;15(2):152-156.
  96. Jansen G et al. Sulfasalazine is a potent inhibitor of the reduced folate carrier: implications ofr combination therapies with methotrexate in rheumatoid arthritis. Arthritis Rheum. 2004 Jul;50(7):2130-9
  97. Johe PD, Osterud B. The in vivo effect of melatonin on cellular activation processes in human blood during strenuous physical exercise. J Pineal Res 2005;39:324–330.
  98. Johnson GJ, Cosnes J, Mansfield JC. Review article: smoking cessation as primary therapy to modify the course of Crohn's disease. Aliment Pharmacol Ther 2005;21:921–31.
  99. Jones VA. Comparison of total parenteral nutrition and elemental diet in induction of remission of Crohn's disease. Long-term maintenance of remission by personalized food exclusion diets. Dig Dis Sci 1987;32(12 Suppl):100S--7S.
  100. Jorgensen SP, Agnholt J, et al. Clinical trial:Vitamin D3 treatment in Crohn's disease---A randomized double-blind placebo-controlled study. Aliment Pharmacol Ther 2010;32:377-83.
  101. Jowett SL, Seal CJ, et al. Influence of dietary factors on the clinical course of ulcerative colitis: a prospective cohort study. Gut 2004;53(10):1479-84.
  102. Kaplan GG, Hubbard J, et al. The inflammatory bowel diseases and ambient air pollution: a novel association. Am J Gastroenterol 2010;105(11):2412-9.
  103. Kappelman MD, Horvath-Puho E, et al. Thromboembolic risk among Danish children and adults with inflammatory bowel diseases: a population-based nationwide study. Gut 2011;60:937–43.
  104. Karimi O, Peña AS, van Bodegraven AA. Probiotics (VSL#3) in arthralgia in patients with ulcerative colitis and Crohn's disease: A pilot study. Drugs Today (Barc) 2005;41(7):453-9.
  105. Kim DH et al. Pooled analyses of 13 prospective cohort studies on folate intake and colon cancer. Cancer Causes Control. 2010 Nov;21(11):1919-30. Epub 2010 Sep 5.
  106. Koutroubakis IE, Malliaraki N, et al. Decreased total and corrected antioxidant capacity in patients with inflammatory bowel disease. Dig Dis Sci. 2004 Sep;49(9):1433-7.
  107. Koutroubakis IE. Therapy insight: Vascular complications in patients with inflammatory bowel disease. Nat Clin Pract Gastroenterol Hepatol 2005;2(6):266-72.
  108. Krasinski SD, Russell RM et al. The prevalence of vitamin K deficiency in chronic gastrointestinal disorders. Am J Clin Nutr 1985;41(3):639-43.
  109. Kruidenier L, Kuiper I, et al. Intestinal oxidative damage in inflammatory bowel disease: semi-quantification, localization, and association with mucosal antioxidants. J Pathol. 2003 Sep;201(1):28-36.
  110. Kruschewski M, Perez-Canto S et al. [Protective effect of glutamine on microcirculation of the intestine in experimental colitis]. Langenbecks Arch Chir Suppl Kongressbd. 1998;115(Suppl I):229-31.
  111. Kuroki F, Matsumoto T, et al. Selenium is depleted in Crohn's disease on enteral nutrition. Dig Dis. 2003;21(3):266-70.
  112. Kuwabara A, Tanaka K, et al. High prevalence of vitamin K and D deficiency and decreased BMD in inflammatory bowel disease. Osteoporos Int 2009;20(6):935-42.
  113. Langmead L et al. Anti-inflammatory effects of aloe vera gel in human colorectal mucosa in vitro. Aliment Pharmacol Ther. 2004b Mar 1;19(5):521-7.
  114. Langmead L et al. Randomized, double-blind, placebo-controlled trial of oral aloe vera gel for active ulcerative colitis. Aliment Pharmacol Ther. 2004a Apr 1;19(7):739-47.
  115. Lavasani S et al. A novel probiotic mixture exerts a therapeutic effect on experimental autoimmune encephalomyelitis mediated by IL-10 producing regulatory T cells. PLoS One. 2010 Feb 2;5(2):e9009.
  116. Lim WC, Hanauer SB, Li YC. Mechanisms of disease: vitamin D and inflammatory bowel disease. Nat Clin Pract Gastroenterol Hepatol 2005;2(7):308-15
  117. Loc-Carrillo C, Abedon ST. Pros and cons of phage therapy. Bacteriophage.Mar-Apr 2011;1(2):111-114.
  118. Lorenz-Meyer H, Bauer P, et al. Omega-3 fatty acids and low carbohydrate diet for maintenance of remission in Crohn's disease: a randomized controlled multicenter trial. Study Group Members (German Crohn's Disease Study Group). Scand J Gastroenterol. 1996;31:778-85.
  119. Mahmood A, Needham J, et al. Prevalence of hyperhomocysteinaemia, activated protein C resistance and prothrombin gene mutation in inflammatory bowel disease. Eur J Gastroenterol Hepatol 2005;17:739-44.
  120. Maldonado MD, Calvo JR. Melatonin usage in ulcerative colitis: a case report. J Pineal Res 2008;45(3):339-40.
  121. Malik T, Mannon P. Inflammatory bowel diseases: emerging therapies and promising molecular targets. Front Biosci 2012;S4:1172-89.
  122. Malolepszy J, Kuczymska-Sekieta K, Chachaj W. Sodium cromoglycate therapy in ulcerative colitis. Acta Allergol 1977;13:82–86.
  123. Matters GL et al. The opioid antagonist naltrexone improves murine inflammatory bowel disease. J Immunotoxicol. 2008 Apr;5(2):179-87.
  124. McCarville JL, Caminero A, Verdu EF. Novel perspectives on therapeutic modulation of the gut microbiota. Therapeutic advances in gastroenterology.Jul 2016;9(4):580-593.
  125. McFarland LV. Systematic review and meta-analysis of Saccharomyces boulardii in adult patients. World J Gastroenterol. 2010 May 14;16(18):2202-22.
  126. McNamara DA, Brophy S, Hyland JM. Perianal Crohn’s disease and infliximab therapy. Surgeon. 2004 Oct;2(5):258-63.
  127. Meader E, Mayer MJ, Steverding D, Carding SR, Narbad A. Evaluation of bacteriophage therapy to control Clostridium difficile and toxin production in an in vitro human colon model system. Anaerobe.Aug 2013;22:25-30.
  128. Meister D, Bode J, et al. Anti-inflammatory effects of enteral diet components on Crohn's disease-affected tissues in vitro. Dig Liver Dis. 2002 Jun;34(6):430-8.
  129. Miheller P et al. Clinical relevance of changes in bone metabolism in inflammatory bowel disease. World J Gastroenterol. 2010 Nov 28;16(44):5536-42.
  130. Miheller P, Muzes G, et al. Comparison of the effects of 1,25 dihydroxyvitamin D and 25 hydroxyvitamin D on bone pathology and disease activity in Crohn's disease patients. Inflamm Bowel Dis 2009;15:1656-1662.
  131. Mikhailova TL et al. Randomised clinical trial: the efficacy and safety of propionyl-L-carnitine therapy in patients with ulcerative colitis receiving stable oral treatment. Aliment Pharmacol Ther. 2011 Nov;34(9):1088-97.
  132. Mitamura T, Sakamoto S et al. The more an ulcerative colitis is repeated, the more the risk of colorectal carcinogenesis is increased in mice. Anticancer Res. 2002 Nov-Dec;22(6C):3955-61.
  133. Mortimore M and Florin TH. A role for B₁₂ in inflammatory bowel disease patients with suppurative dermatoses? An experience with high dose vitamin B₁₂ therapy. J Crohns Colitis. 2010 Oct;4(4):466-70. Epub 2010 Mar 21.
  134. Muijsers RB, Goa KL. Balsalazide: a review of its therapeutic use in mild-to-moderate ulcerative colitis. Drugs. 2002;62(11):1689-705.
  135. Nakajima S, Iijima H, et al. Association of vitamin K deficiency with bone metabolism and clinical disease activity in inflammatory bowel disease. Nutrition 2011;27(10):1023-8.
  136. Nale JY, Spencer J, Hargreaves KR, Buckley AM, Trzepinski P, Douce GR, Clokie MR. Bacteriophage Combinations Significantly Reduce Clostridium difficile Growth In Vitro and Proliferation In Vivo. Antimicrob Agents Chemother.Feb 2016;60(2):968-981.
  137. Neuman MG. Signaling for inflammation and repair in inflammatory bowel disease. Rom J Gastroenterol. 2004 Dec;13(4):309-16.
  138. Newman WG et al. A pragmatic randomized controlled trial of thiopurine methyltransferase genotyping prior to azathioprine treatment: the TARGET study. Pharmacogenomics. 2011 Jun;12(6):815-26. Epub 2011 May 3.
  139. Norman JM, Handley SA, Baldridge MT, et al. Disease-specific alterations in the enteric virome in inflammatory bowel disease. Cell.Jan 29 2015;160(3):447-460.
  140. Ockenga J et al. Glutamine-enriched total parenteral nutrition in patients with inflammatory bowel disease. Eur J Clin Nutr. 2005 Nov;59(11):1302-9.
  141. Ojuawo A and Keith L. The serum concentrations of zinc, copper and selenium in children with inflammatory bowel disease. Cent Afr J Med. 2002 Sep-Oct;48(9-10):116-9.
  142. Omer B, Krebs S, Omer H, Noor TO. Steroid-sparing effect of wormwood (Artemisia absinthium) in Crohn's disease: A double-blind placebo-controlled study. Phytomedicine 2007;14(2-3):87-95.
  143. Ooi JH et al. Vitamin D regulation of immune function in the gut: why do T cells have vitamin D receptors? Mol Aspects Med. 2012 Feb;33(1):77-82. Epub 2011 Nov 6.
  144. Oussalah A et al. ta-analysis: hyperhomocysteinaemia in inflammatory bowel diseases. Aliment Pharmacol Ther. 2011 Nov;34(10):1173-84. doi: 10.1111/j.1365-2036.2011.04864.x. Epub 2011 Oct 3.
  145. Papa A, Santoliquido A, et al. Increased carotid intima-media thickness in patients with inflammatory bowel disease. Aliment Pharmacol Ther. 2005 Nov 1;22(9):839-46.
  146. Patel V, Macdonald JK, et al. Methotrexate for maintenance of remission in Crohn's disease. Cochrane Database Syst Rev 2009 Oct 7;(4):CD006884.
  147. Phang M, Lazarus S, Wood LG, Garg M Diet and thrombosis risk: nutrients for prevention of thrombotic disease. Semin Thromb Hemost 2011;37(3):199-208.
  148. Phelip JM et al. Association of hyperhomocysteinemia and folate deficiency with colon tumors in patients with inflammatory bowel disease. Inflamm Bowel Dis. 2008 Feb;14(2):242-8.
  149. Pitcher MCL, Cummings JH. Hydrogen sulphide: a bacterial toxin in ulcerative colitis? Gut 1996;39:1-4.
  150. Preiss JC et al. Use of methotrexate in patients with inflammatory bowel disease. Clin Exp Rheumatol. 2010 Sep-Oct;28 (5 Suppl 61):S151-5
  151. Rakhimova OIu . Use of melatonin in combined treatment for inflammatory bowel diseases. Ter Arkh 2010;82(12):64-8 [in Russian].
  152. Riordan AM, Hunter JO, et al. Treatment of active Crohn's disease by exclusion diet: East Anglian Multicentre Controlled Trial. Lancet 1993;342:1131-4.
  153. Roblin X, Germain E, et al. Factors associated with hyperhomocysteinemia in inflammatory bowel disease: prospective study in 81 patients [in French]. Rev Med Interne. 2006 Feb;27(2):106-10.
  154. Roediger WE. Decreased sulphur aminoacid intake in ulcerative colitis. Lancet 1998;351(9115):1555.
  155. Roediger WEW, Moore J, Babidge W. Colonic sulfide in pathogenesis and treatment of ulcerative colitis. Dig Dis Sci 1997;42:1571-9.
  156. Rogler G, Scholmerich J. Extraintestinal manifestations of inflammatory bowel disease [in German]. Med Klin (Munich). 2004 Mar 15;99(3):123-30.
  157. Rogler G. Prebiotics and probiotics in ulcerative colitis: where do we stand? Digestion. 2011;84(2):126-7. Epub 2011 Apr 15.
  158. Ross E. The role of marine fish oils in the treatment of ulcerative colitis. Nutr Rev. 1993;51(2):47-9.
  159. Rowan FE, Docherty NG, Coffey JC, O'Connell PR. Sulphate-reducing bacteria and hydrogen sulphide in the aetiology of ulcerative colitis. Br J Surg 2009;96(2):151-8.
  160. Ruffolo C et al. Subclinical intestinal inflammation in patients with Crohn's disease following bowel resection: a smoldering fire. J Gastrointest Surg. 2010 Jan;14(1):24-31. Epub 2009 Nov 10.
  161. Rutgeerts P, Löfberg R, et al. A comparison of budesonide with prednisolone for active Crohn’s disease. N Engl J Med 1994;331:842–5.
  162. Sakamoto N et al. Dietary risk factors for inflammatory bowel disease: a multicenter case-control study in Japan. Inflamm Bowel Dis. 2005 Feb;11(2):154-63.
  163. Sarker SA, McCallin S, Barretto C, et al. Oral T4-like phage cocktail application to healthy adult volunteers from Bangladesh. Virology.Dec 20 2012;434(2):222-232.
  164. Sartor RB. Efficacy of probiotics for the management of inflammatory bowel disease. Gastroenterol Hepatol (N Y). 2011 Sep;7(9):606-8.
  165. Sato S, Sasaki I, et al. Management of urinary complications in Crohn's disease. Surg Today. 1999;29(8):713-7.
  166. Scholz D. The role of nutrition in the etiology of inflammatory bowel disease. Curr Probl Pediatr Adolesc Health Care. 2011 Oct;41(9):248-53.
  167. Segain JP, Raingeard de la Bletiere D, et al. Butyrate inhibits inflammatory responses through NFkappaB inhibition: implications for Crohn's disease. Gut. 2000 Sep;47(3):397-403.
  168. Sengupta K et al. Cellular and molecular mechanisms of anti-inflammatory effect of Aflapin: a novel Boswellia serrata extract. Mol Cell Biochem. 2011 Aug;354(1-2):189-97. Epub 2011 Apr 11.
  169. Shakeri A et al. Effects of L-carnitine supplement on serum inflammatory cytokines, C-reactive protein, lipoprotein (a), and oxidative stress in hemodialysis patients with Lp (a) hyperlipoproteinemia. Hemodial Int. 2010 Oct;14(4):498-504.
  170. Sido B, Seel C, Hochlehnert A, et al. Low intestinal glutamine level and low glutaminase activity in Crohn's disease: a rational for glutamine supplementation? Dig Dis Sci 2006;51(12):2170-9.
  171. Siffledeen JS, Siminoski K, et al. The frequency of vitamin D deficiency in adults with Crohn's disease. Can J Gastroenterol. 2003 Aug;17(8):473-8.
  172. Simopoulos AP. Importance of the omega-6/omega-3 balance in health and disease: evolutionary aspects of diet. World Rev Nutr Diet. 2011;102:10-21. Epub 2011 Aug 5.
  173. Simopoulos AP. The importance of the ratio of omega-6/omega-3 essential fatty acids. Biomed Pharmacother. 2002 Oct;56(8):365-79.
  174. Smith JP, Bingaman SI, et al. Therapy with the opioid antagonist naltrexone promotes mucosal healing in active Crohn’s disease: a randomized placebo-controlled trial. Dig Dis Sci 201156:2088-97.
  175. Smith JP, Stock H, Bingaman S, et al. Low-dose naltrexone therapy improves active Crohn’s disease. Am J Gastroenterol 2007;102:820-8.
  176. Solem CA, Loftus EV, Tremaine WJ, Sandborn WJ. Venous thromboembolism in inflammatory bowel disease. Am J Gastroenterol 2004;99(1):97-101.
  177. Sonoda K, Ikeda S, et al. Evaluation of venous thromboembolism and coagulation-fibrinolysis markers in Japanese patients with inflammatory bowel disease. J Gastroenterol 2004;39(10):948-54.
  178. Srirajaskanthan R, Winter M, et al. Venous thrombosis in inflammatory bowel disease. Eur J Gastroenterol Hepatol. 2005 Jul;17(7):697-700.
  179. Stefanini GF et al. Oral cromolyn sodium in comparison with elimination diet in the irritable bowel syndrome, diarrheic type. Multicenter study of 428 patients. Scand J Gastroenterol. 1995 Jun;30(6):535-41.
  180. Steinhart AH et al. Nutrition in inflammatory bowel disease. Curr Opinion Gastroenterol. 1997;13(2):140-5.
  181. Stenson WF et al. Dietary supplementation with fish oil in ulcerative colitis. Ann Intern Med. 1992 Apr 15;116(8):609-14.
  182. Straub RH, Scholmerich J, et al. Replacement therapy with DHEA plus corticosteroids in patients with chronic inflammatory diseases: substitutes of adrenal and sex hormones. Z Rheumatol. 2000;59(suppl 2):II/108-18.
  183. Tavarela VF. Review article: skin complications associated with inflammatory bowel disease. Aliment Pharmacol Ther. 2004 Oct;20(suppl 4):50-3.
  184. Taylor RA et al. Curcumin for inflammatory bowel disease: a review of human studies. Altern Med Rev. 2011 Jun;16(2):152-6.
  185. Teahon K, Smethurst P, et al. The effect of elemental diet on intestinal permeability and inflammation in Crohn's disease. Gastroenterology. 1991 Jul;101(1):84-9.
  186. Terry PD, Villinger F, Bubenik GA, Sitaraman SV. Melatonin and ulcerative colitis: evidence, biological mechanisms, and future research. Inflamm Bowel Dis 2009;15:134-40.
  187. Thomas S et al. Anti-inflammatory effects of Saccharomyces boulardii mediated by myeloid dendritic cells from patients with Crohn's disease and ulcerative colitis. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol. 2011 Dec;301(6):G1083-92. Epub 2011 Sep 8.
  188. Tighe MP, Cummings JR, Afzal NA. Nutrition and inflammatory bowel disease: primary or adjuvant therapy. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2011 Sep;14(5):491-6.
  189. Trebble TM, Arden NK, et al. Fish oil and antioxidants alter the composition and function of circulating mononuclear cells in Crohn disease. Am J Clin Nutr. 2004 Nov;80(5):1137-44.
  190. Trebble TM, Stroud MA, et al. High-dose fish oil and antioxidants in Crohn's disease and the response of bone turnover: a randomised controlled trial. Br J Nutr. 2005 Aug;94(2):253-61.
  191. Triggs CM, Munday K, et al. Dietary factors in chronic inflammation: food tolerances and intolerances of a New Zealand Caucasian Crohn's disease population. Mutat Res 2010;690(1-2):123-38.
  192. Tsai F and Coyle WJ. The microbiome and obesity: is obesity linked to our gut flora? Curr Gastroenterol Rep. 2009 Aug;11(4):307-13.
  193. Tursi A et al. h prevalence of celiac disease among patients affected by Crohn's disease. Inflamm Bowel Dis. 2005 Jul;11(7):662-6.
  194. Uchiyama K et al. N-3 polyunsaturated fatty acid diet therapy for patients with inflammatory bowel disease. Inflamm Bowel Dis. 2010 Oct;16(10):1696-707.
  195. Vagianos K et al. tion assessment of patients with inflammatory bowel disease. JPEN J Parenter Enteral Nutr. 2007 Jul-Aug;31(4):311-9.
  196. Van Den Bogaerde J, Cahill J, et al. Gut mucosal response to food antigens in Crohn's disease. Aliment Pharmacol Ther 2002;16(11):1903-15.
  197. Vermeire S, Peeters M, et al. Anti-Saccharomyces cerevisiae antibodies (ASCA), phenotypes of IBD, and intestinal permeability: a study in IBD families. Inflamm Bowel Dis 2001;7(1):8-15.
  198. Vieira EL et al. Oral administration of sodium butyrate attenuates inflammation and mucosal lesion in experimental acute ulcerative colitis. J Nutr Biochem. 2011 Jun 8. [Epub ahead of print]
  199. Wang TT, Dabbas B, Laperrier D, et al. Direct and indirect induction by 1,25-dihydroxyvitamin D3 of the NOD2/CARD15-defensin beta-2 innate immune pathway defective in Crohn disease. J Biol Chem 2010;285(4):2227-31.
  200. Wang W, Jovel J, Halloran B, et al. Metagenomic Analysis of Microbiome in Colon Tissue from Subjects with Inflammatory Bowel Diseases Reveals Interplay of Viruses and Bacteria. Inflamm Bowel Dis.Jun 2015;21(6):1419-1427.
  201. Watanabe O et al. Enteral nutrition decreases hospitalization rate in patients with Crohn's disease. J Gastroenterol Hepatol. 2010 May;25 Suppl 1:S134-7.
  202. Wiese DM et al. The effects of an oral supplement enriched with fish oil, prebiotics, and antioxidants on nutrition status in Crohn's disease patients. Nutr Clin Pract. 2011 Aug;26(4):463-73.
  203. Wright R, Truelove SC. A controlled therapeutic trial of various diets in ulcerative colitis. Br Med J 1965;2:138-41.
  204. Xu CT, Meng SY et al. Drug therapy for ulcerative colitis. World J Gastroenterol. 2004 Aug 15;10(16):2311-7.
  205. Yakut M et al. Serum vitamin B12 and folate status in patients with inflammatory bowel diseases. Eur J Intern Med. 2010 Aug;21(4):320-3. Epub 2010 Jun 8.
  206. Yamamoto T, Nakahigashi M, et al. Impact of long-term enteral nutrition on clinical and endoscopic recurrence after resection for Crohn's disease: A prospective, non-randomized, parallel, controlled study. Aliment Pharmacol Ther 2007;25:67-72.
  207. Yuan Y et al. Protective effects of L-carnitine on intestinal ischemia/reperfusion injury in a rat model. J Clin Med Res. 2011 Apr 4;3(2):78-84
  208. Zezos P, Papaioannou G, et al. Hyperhomocysteinemia in ulcerative colitis is related to folate levels. World J Gastroenterol. 2005 Oct 14;11(38):6038-42.
  209. Zigra PI, Maipa VE, Alamanos YP. Probiotics and remission of ulcerative colitis: a systematic review. Netherlands J Med 2007;65(11):411--18.
  210. Zintzaras E. Genetic variants of homocysteine/folate metabolism pathway and risk of inflammatory bowel disease: a synopsis and meta-analysis of genetic association studies. Biomarkers. 2010 Feb;15(1):69-79.
Veja os serviços prestados

Convênios

  • Advance
  • Allianz Saúde
  • Ameplan
  • Amil
  • Apeoesp
  • Bradesco Saúde
  • Caixa Seguros
  • Care Plus
  • Cassi
  • Cetesb
  • Classes Laboriosas
  • Dix
  • Economus
  • Fundação CESP
  • Gama Saúde
  • Grupo Saúde Bresser
  • Hapvida
  • Intermedica
  • Itau
  • Life Empresarial
  • Mapfre
  • Marítima Saúde
  • MedService
  • Metrus
  • Notredame
  • Omint Saúde
  • Ônix
  • Portomed
  • Porto Seguro
  • Sabesprev
  • Santamalia
  • Saúde Secular
  • SP Trans
  • Sul America Saúde
  • Unafisco
  • Unimed
  • Unimed Rio
  • Unimed Seguros