Como a Perda Óssea Acelera o Envelhecimento

Fonte: William Faloon - LifeExtension®
Como a Perda Óssea Acelera o Envelhecimento

Quando as pessoas pensam em osteoporose, elas assumem que se referem apenas à diminuição da densidade óssea e ao aumento do risco de fraturas.

A realidade é muito pior.

À medida que a massa esquelética é perdida, são liberados fatores de crescimento derivados do osso que podem contribuir para a aterosclerose, 1,2 inflamação, 3,4 calcificação, 5,6 e câncer.7-9

A osteoporose está mais associada às mulheres, mas também ocorre nos homens. Tanto nos homens quanto nas mulheres, estabelece as bases para doenças crônicas relacionadas à idade. Essas patologias quase sempre se desenvolvem antes que a perda óssea seja detectada.

A manutenção da integridade do esqueleto é um processo para toda a vida que envolve a dissolução do osso antigo e a restauração precisa, reestabelecendo minerais como o cálcio.

Na ausência de nutrientes e hormônios para a construção óssea, os fatores de crescimento que devem permanecer nos ossos são liberados no sangue, onde eles criam destruição sistêmica.

A osteoporose nos homens é subestimada. No cenário de câncer de próstata recém-diagnosticado, evidências de perda óssea significativa foram observadas virtualmente em 100% das vezes.10-15 A propagação de células de câncer de próstata aumenta em resposta a fatores de crescimento liberados como remodelações ósseas.7,16

Quando as fraturas osteoporóticas ocorrem em homens mais velhos, as taxas de mortalidade são maiores que as mulheres com fraturas.17,18

A consciência do risco de osteoporose motiva as mulheres preocupadas com a saúde (e alguns homens) a se proteger proativamente contra a perda óssea.

Para aqueles que querem reduzir a ingestão de minerais encapsulados, um comprimido mastigável agora fornece as melhores doses com um sabor natural de chocolate.

Esta edição da Life Extension Magazine® descreve causas ocultas de perda óssea que podem ser corrigidas com mudanças de estilo de vida, equilíbrio hormonal / mineral e evitar drogas que destroem os ossos.

As pessoas podem perder massa óssea em qualquer idade e é uma parte comum dos processos degenerativos normais.

Existem métodos documentados para retardar e reverter a perda óssea.

À medida que a densidade óssea diminui, as citocinas inflamatórias são liberadas no sangue, como a interleucina-6, o fator de necrose tumoral alfa e a interleucina 1,19-21.

Esses fatores pró-inflamatórios podem acelerar a doença vascular e a demência, encurtando a longevidade geral.22-26 É importante notar que a inflamação, o envelhecimento e o câncer estão inter-relacionados.

O osso contém fatores de crescimento que são necessários para manter a densidade óssea. Quando o osso se rompe, esses fatores de crescimento são liberados no sangue, onde podem estimular a propagação de células cancerígenas.10,11

A testosterona desempenha um papel importante na manutenção da densidade óssea em homens.27,28 As mulheres confiam mais no estrogênio e na progesterona.29,30

Ambos os sexos podem se beneficiar do DHEA, um hormônio que se converte em estrogênio e testosterona de maneira altamente individualista.31

O que é importante entender é que o osso não é estático. Nosso esqueleto compreende tecidos energizados que são ricos em fatores de crescimento derivados do osso.

Manter esses fatores de crescimento no osso e nos tecidos moles é essencial para uma longevidade saudável.

O Negligenciado Papel do Magnésio

Quando a Life Extension® foi fundada há 37 anos, a maioria dos suplementos alimentares destinados a prevenir a osteoporose continha apenas cálcio e um pouco de vitamina D.

Argumentamos que o magnésio também era importante para manter os ossos envelhecidos.

Um grande volume de evidências agora substancia o papel que o magnésio desempenha na saúde óssea32-36.

Um estudo publicado em 2017 produziu descobertas convincentes mostrando que a baixa concentração sérica de magnésio está independentemente associada a um risco aumentado de fraturas em homens caucasianos de meia-idade.37

Para este estudo, os pesquisadores avaliaram 2.200 homens ao longo de um acompanhamento médio de 25,6 anos. Eles descobriram que os homens no quartil mais baixo de magnésio sérico tinham um risco duas vezes maior de fraturas ósseas, em comparação com aqueles no quartil mais alto. Este estudo constatou que 63,4% dessas fraturas envolveram o fêmur - o principal osso de sustentação de peso da extremidade inferior.

Dos 22 homens neste estudo com níveis de magnésio acima do normal no início, nenhum experimentou uma fratura.

O que está revelando aqui é que apenas 1% dos homens tinham níveis séricos de magnésio acima do normal. Isso pode indicar como a deficiência generalizada de magnésio está na população geral.

Os pesquisadores que conduziram este estudo comentaram que seria difícil para as pessoas envelhecidas obter níveis ótimos de magnésio no sangue através da dieta. Eles sugeriram o uso de suplementos para garantir níveis mais elevados de magnésio no sangue.

Ao olhar para os dados que mostram os múltiplos benefícios do magnésio, faz sentido assegurar que se esteja obtendo quantidades ótimas desse mineral que é deficiente na maioria das dietas americanas.

A Osteoporose Corre Desenfreada

As fraturas ósseas são uma das principais causas de incapacidade e problemas de saúde entre o envelhecimento da população.37 A incidência de fraturas piora à medida que mais pessoas são prescritas para o uso de drogas que roubam os ossos em face de deficiências nutricionais epidêmicas.

Em mulheres brancas americanas com mais de 50 anos, cerca de quatro em dez experimentam uma fratura de quadril, coluna ou punho em algum momento durante o resto de suas vidas. O risco de fraturas ao longo da vida aumentará para todos os grupos étnicos, uma vez que as pessoas vivem mais tempo.38

Em 2020, espera-se que um em cada dois americanos com mais de 50 anos tenha ou esteja em risco de desenvolver osteoporose do quadril. Ainda mais corre o risco de desenvolver osteoporose em qualquer sítio esquelético.38

A alta prevalência de osteoporose em mulheres fez com que muitos homens se mostrassem complacentes com a saúde dos ossos.

Nós da Life Extension observamos dados clínicos indicando que a perda óssea está associada ao bloqueio da artéria coronária, estenose da artéria carótida / válvula aórtica e / ou câncer de próstata.39-47

Em outras palavras, à medida que a massa óssea se rompe e libera seu conteúdo no sangue, há uma ossificação sistêmica (formação óssea) de tecidos moles e inflamação generalizada, juntamente com fatores de crescimento derivados do osso que atuam como combustível biológico para a proliferação de células cancerígenas.

Assim, em poucas palavras, manter e restaurar a densidade óssea juvenil reduz não só as fraturas, mas também o risco dos distúrbios degenerativos mais comuns.

Osso é Tecido Vivo

As pessoas leigas muitas vezes pensam erroneamente que o osso é uma rocha calcificada que lentamente se desgasta com o envelhecimento.

Na realidade, seus ossos “remodela-se” por meio de um processo vitalício em que o tecido ósseo velho é removido do esqueleto e se forma um novo tecido ósseo.70,71

Um desequilíbrio na regulação do “remodelamento” ósseo resulta em distúrbios como a osteoporose.71

O tecido ósseo é removido pelos osteoclastos e o novo tecido ósseo é formado pelos osteoblastos. Ambos os processos utilizam as citocinas de sinalização que transformam o fator de crescimento beta (TGF-β) e o fator de crescimento semelhante à insulina (IGF) .72,73

Quando o osso se rompe, libera TGF-B e IGF no sangue, onde esses fatores de crescimento podem estimular a proliferação de células cancerosas.74,75

Você Não Precisa ser uma Vítima!

Dados sobre a incidência de osteoporose são assustadores. Deve-se encontrar conforto de que eles têm a capacidade de melhorar a saúde óssea em qualquer idade.

A perda óssea é exacerbada naqueles que ingerem excesso de fosfato (como aqueles encontrados em refrigerantes), consomem muito álcool e / ou fumam cigarros.48-54

Distúrbios da tireoide ou da paratireoide podem causar perda de densidade óssea, assim como déficits de hormônios sexuais (estrógeno, testosterona, progesterona, DHEA) .29,58-61

A perda de massa óssea é atribuída a deficiências minerais, como boro, magnésio e cálcio.37,62-64

A vitamina K2 é essencial para manter o cálcio no osso e fora dos tecidos moles, como artérias e válvulas cardíacas.65-69

Aqueles que tomam qualquer droga que cause perda de massa óssea devem ser particularmente vigilantes.

Nova Maneira de Levar Minerais para Construção Óssea

Há uma série de fórmulas bem projetadas que fornecem cálcio, magnésio e outros nutrientes para a saúde dos ossos. Para obter as melhores doses, os consumidores geralmente precisam tomar cerca de quatro cápsulas por dia.

Minerais não têm gosto ruim do jeito que as vitaminas B e alguns aminoácidos tem.

Isso nos levou a combinar as melhores doses de cálcio, magnésio, boro e outros nutrientes para criar uma pastilha de chocolate mastigável de sabor agradável.

Fiquei surpreso quando experimentei esse pastilha mineral porque tinha um gosto tão bom quanto o chocolate não adoçado que usei no passado.

Apenas duas dessas pastilhas de sabor agradável fornecem as mesmas doses de nutrientes encontradas em quatro cápsulas de fórmulas populares de construção óssea.

Ninguém deve arriscar complicações da osteoporose quando existem opções de baixo custo disponíveis, com dados científicos robustos publicados para apoiar a eficácia.

Referências

  1. Hamerman D. Osteoporosis and atherosclerosis: biological linkages and the emergence of dual-purpose therapies. Qjm. 2005;98(7):467-84.
  2. Toma I, McCaffrey TA. Transforming growth factor-beta and atherosclerosis: interwoven atherogenic and atheroprotective aspects. Cell Tissue Res. 2012;347(1):155-75.
  3. Lerner UH. Inflammation-induced bone remodeling in periodontal disease and the influence of post-menopausal osteoporosis. J Dent Res. 2006;85(7):596-607.
  4. Bussard KM, Venzon DJ, Mastro AM. Osteoblasts are a major source of inflammatory cytokines in the tumor microenvironment of bone metastatic breast cancer. J Cell Biochem. 2010;111(5): 1138-48.
  5. Danilevicius CF, Lopes JB, Pereira RM. Bone metabolism and vascular calcification. Braz J Med Biol Res. 2007;40(4):435-42.
  6. Pal SN, Clancy P, Golledge J. Circulating concentrations of stem-cell-mobilizing cytokines are associated with levels of osteoprogenitor cells and aortic calcification severity. Circ J. 2011;75(5):1227-34.
  7. Reis ST, Pontes-Junior J, Antunes AA, et al. Tgf-beta1 expression as a biomarker of poor prognosis in prostate cancer. Clinics (Sao Paulo). 2011;66(7):1143-7.
  8. Kingsley LA, Fournier PGJ, Chirgwin JM, et al. Molecular Biology of Bone Metastasis. Molecular Cancer Therapeutics.2007;6(10):2609-17.
  9. Yin JJ, Selander K, Chirgwin JM, et al. TGF-beta signaling blockade inhibits PTHrP secretion by breast cancer cells and bone metastases development. J Clin Invest. 1999;103(2):197-206.
  10. Roodman GD. Mechanisms of bone metastasis. Discov Med. 2004;4(22):144-8.
  11. Farhat GN, Taioli E, Cauley JA, et al. The association of bone mineral density with prostate cancer risk in the Osteoporotic Fractures in Men (MrOS) Study. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2009;18(1):148-54.
  12. Israeli RS. Managing bone loss and bone metastases in prostate cancer patients: a focus on bisphosphonate therapy. Rev Urol. 2008;10(2):99-110.
  13. Berruti A, Dogliotti L, Terrone C, et al. Changes in bone mineral density, lean body mass and fat content as measured by dual energy x-ray absorptiometry in patients with prostate cancer without apparent bone metastases given androgen deprivation therapy. J Urol. 2002;167(6):2361-7; discussion 7.
  14. So A, Chin J, Fleshner N, et al. Management of skeletal-related events in patients with advanced prostate cancer and bone metastases: Incorporating new agents into clinical practice. Can Urol Assoc J. 2012;6(6):465-70.
  15. Saad F, Olsson C, Schulman CC. Skeletal morbidity in men with prostate cancer: quality-of-life considerations throughout the continuum of care. Eur Urol. 2004;46(6):731-39; discussion 9-40.
  16. Available at: https://s3.amazonaws.com/curetoday/media/u02/data/htdocs/media/downloads/documents/BoneHealth_PG_rev_b.pdf. Accessed September 12, 2017.
  17. Center JR, Nguyen TV, Schneider D, et al. Mortality after all major types of osteoporotic fracture in men and women: an observational study. Lancet. 1999;353(9156):878-82.
  18. Kamel HK. Male osteoporosis: new trends in diagnosis and therapy. Drugs Aging. 2005;22(9):741-8.
  19. Lacativa PG, Farias ML. Osteoporosis and inflammation. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2010;54(2):123-32.
  20. Omoigui S. The Interleukin-6 inflammation pathway from cholesterol to aging – Role of statins, bisphosphonates and plant polyphenols in aging and age-related diseases. Immunity & Ageing. 2007;4(1):1.
  21. Ginaldi L, Di Benedetto MC, De Martinis M. Osteoporosis, inflammation and ageing. Immunity & Ageing. 2005;2(1):14.
  22. Engelhart MJ, Geerlings MI, Meijer J, et al. Inflammatory proteins in plasma and the risk of dementia: the rotterdam study. Arch Neurol. 2004;61(5):668-72.
  23. Sprague AH, Khalil RA. Inflammatory cytokines in vascular dysfunction and vascular disease. Biochem Pharmacol.2009;78(6):539-52.
  24. Sundelof J, Kilander L, Helmersson J, et al. Systemic inflammation and the risk of Alzheimer’s disease and dementia: a prospective population-based study. J Alzheimers Dis. 2009;18(1):79-87.
  25. Franceschi C, Capri M, Monti D, et al. Inflammaging and anti-inflammaging: a systemic perspective on aging and longevity emerged from studies in humans. Mech Ageing Dev. 2007;128(1):92-105.
  26. Varadhan R, Yao W, Matteini A, et al. Simple biologically informed inflammatory index of two serum cytokines predicts 10 year all-cause mortality in older adults. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2014;69(2):165-73.
  27. Spry NA, Galvao DA, Davies R, et al. Long-term effects of intermittent androgen suppression on testosterone recovery and bone mineral density: results of a 33-month observational study. BJU Int. 2009;104(6):806-12.
  28. Available at: http://www.medscape.com/viewarticle/846022. Accessed September 12, 2017.
  29. Scheven BA, Damen CA, Hamilton NJ, et al. Stimulatory effects of estrogen and progesterone on proliferation and differentiation of normal human osteoblast-like cells in vitro. Biochem Biophys Res Commun. 1992;186(1):54-60.
  30. Seifert-Klauss V, Prior JC. Progesterone and bone: actions promoting bone health in women. J Osteoporos.2010;2010:845180.
  31. Labrie F, Luu-The V, Labrie C, et al. DHEA and its transformation into androgens and estrogens in peripheral target tissues: intracrinology. Front Neuroendocrinol. 2001;22(3):185-212.
  32. Tucker KL, Hannan MT, Chen H, et al. Potassium, magnesium, and fruit and vegetable intakes are associated with greater bone mineral density in elderly men and women. Am J Clin Nutr. 1999;69(4):727-36.
  33. Carpenter TO, DeLucia MC, Zhang JH, et al. A randomized controlled study of effects of dietary magnesium oxide supplementation on bone mineral content in healthy girls. J Clin Endocrinol Metab. 2006;91(12):4866-72.
  34. Matias CN, Santos DA, Monteiro CP, et al. Magnesium intake mediates the association between bone mineral density and lean soft tissue in elite swimmers. Magnes Res. 2012;25(3):120-5.
  35. Rude RK, Singer FR, Gruber HE. Skeletal and hormonal effects of magnesium deficiency. J Am Coll Nutr.2009;28(2):131-41.
  36. Saito N, Tabata N, Saito S, et al. Bone mineral density, serum albumin and serum magnesium. J Am Coll Nutr.2004;23(6):701s-3s.
  37. Kunutsor SK, Whitehouse MR, Blom AW, et al. Low serum magnesium levels are associated with increased risk of fractures: a long-term prospective cohort study. Eur J Epidemiol. 2017.
  38. Available at: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK45515/. Accessed September 13, 2017.
  39. Farhat GN, Strotmeyer ES, Newman AB, et al. Volumetric and areal bone mineral density measures are associated with cardiovascular disease in older men and women: the health, aging, and body composition study. Calcif Tissue Int. 2006;79(2):102-11.
  40. Tanko LB, Bagger YZ, Christiansen C. Low bone mineral density in the hip as a marker of advanced atherosclerosis in elderly women. Calcif Tissue Int. 2003;73(1):15-20.
  41. Kiel DP, Kauppila LI, Cupples LA, et al. Bone loss and the progression of abdominal aortic calcification over a 25 year period: the Framingham Heart Study. Calcif Tissue Int. 2001;68(5):271-6.
  42. Broussard DL, Magnus JH. Coronary heart disease risk and bone mineral density among U.S. women and men. J Womens Health (Larchmt). 2008;17(3):479-90.
  43. Barengolts EI, Berman M, Kukreja SC, et al. Osteoporosis and coronary atherosclerosis in asymptomatic postmenopausal women. Calcif Tissue Int. 1998;62(3): 209-13.
  44. Pfister R, Michels G, Sharp SJ, et al. Inverse association between bone mineral density and risk of aortic stenosis in men and women in EPIC-Norfolk prospective study. Int J Cardiol. 2015;178:29-30.
  45. Galvao DA, Spry NA, Taaffe DR, et al. Changes in muscle, fat and bone mass after 36 weeks of maximal androgen blockade for prostate cancer. BJU Int. 2008;102(1):44-7.
  46. Neubecker K, Adams-Huet B, Farukhi IM, et al. Predictors of fracture risk and bone mineral density in men with prostate cancer on androgen deprivation therapy. J Osteoporos. 2011;2011:924595.
  47. Kim SH, Kim YM, Cho MA, et al. Echogenic carotid artery plaques are associated with vertebral fractures in postmenopausal women with low bone mass. Calcif Tissue Int. 2008;82(6):411-7.
  48. Fung TT, Arasaratnam MH, Grodstein F, et al. Soda consumption and risk of hip fractures in postmenopausal women in the Nurses’ Health Study. Am J Clin Nutr. 2014;100(3):953-8.
  49. Vartanian LR, Schwartz MB, Brownell KD. Effects of soft drink consumption on nutrition and health: a systematic review and meta-analysis. Am J Public Health. 2007;97(4):667-75.
  50. Berg KM, Kunins HV, Jackson JL, et al. Association between alcohol consumption and both osteoporotic fracture and bone density. Am J Med. 2008;121(5):406-18.
  51. Porter SE, Hanley EN, Jr. The musculoskeletal effects of smoking. J Am Acad Orthop Surg. 2001;9(1):9-17.
  52. Wyshak G, Frisch RE. Carbonated beverages, dietary calcium, the dietary calcium/phosphorus ratio, and bone fractures in girls and boys. J Adolesc Health. 1994;15(3):210-5.
  53. Mazariegos-Ramos E, Guerrero-Romero F, Rodriguez-Moran M, et al. Consumption of soft drinks with phosphoric acid as a risk factor for the development of hypocalcemia in children: a case-control study. J Pediatr.1995;126(6):940-2.
  54. Hannan MT, Felson DT, Dawson-Hughes B, et al. Risk factors for longitudinal bone loss in elderly men and women: the Framingham Osteoporosis Study. J Bone Miner Res. 2000;15(4):710-20.
  55. Lewiecki EM, Miller PD. Skeletal effects of primary hyperparathyroidism: bone mineral density and fracture risk. J Clin Densitom. 2013;16(1):28-32.
  56. Williams GR. Actions of thyroid hormones in bone. Endokrynol Pol. 2009;60(5):380-8.
  57. Zaidi M, Davies TF, Zallone A, et al. Thyroid-stimulating hormone, thyroid hormones, and bone loss. Curr Osteoporos Rep. 2009;7(2):47-52.
  58. Fink HA, Ewing SK, Ensrud KE, et al. Association of testosterone and estradiol deficiency with osteoporosis and rapid bone loss in older men. J Clin Endocrinol Metab. 2006;91(10):3908-15.
  59. Kung AW. Androgen and bone mass in men. Asian J Androl. 2003;5(2):148-54.
  60. Riggs BL, Khosla S, Melton LJ, 3rd. A unitary model for involutional osteoporosis: estrogen deficiency causes both type I and type II osteoporosis in postmenopausal women and contributes to bone loss in aging men. J Bone Miner Res. 1998;13(5):763-73.
  61. Villareal DT, Holloszy JO, Kohrt WM. Effects of DHEA replacement on bone mineral density and body composition in elderly women and men. Clin Endocrinol (Oxf). 2000;53(5):561-8.
  62. Pizzorno L. Nothing Boring About Boron. Integr Med (Encinitas). 2015;14(4):35-48.
  63. Zofkova I, Nemcikova P, Matucha P. Trace elements and bone health. Clin Chem Lab Med. 2013;51(8):1555-61.
  64. Sunyecz JA. The use of calcium and vitamin D in the management of osteoporosis. Ther Clin Risk Manag.2008;4(4):827-36.
  65. Wallin R, Schurgers L, Wajih N. Effects of the blood coagulation vitamin K as an inhibitor of arterial calcification. Thromb Res. 2008;122(3):411-7.
  66. Zittermann A. Effects of vitamin K on calcium and bone metabolism. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2001;4(6):483-7.
  67. Geleijnse JM, Vermeer C, Grobbee DE, et al. Dietary intake of menaquinone is associated with a reduced risk of coronary heart disease: the Rotterdam Study. J Nutr. 2004;134(11):3100-5.
  68. Jie KS, Bots ML, Vermeer C, et al. Vitamin K intake and osteocalcin levels in women with and without aortic atherosclerosis: a population-based study. Atherosclerosis. 1995;116(1):117-23.
  69. Beulens JW, Bots ML, Atsma F, et al. High dietary menaquinone intake is associated with reduced coronary calcification. Atherosclerosis. 2009;203(2):489-93.
  70. Hadjidakis DJ, Androulakis, II. Bone remodeling. Ann N Y Acad Sci. 2006;1092:385-96.
  71. Feng X, McDonald JM. Disorders of bone remodeling. Annu Rev Pathol. 2011;6:121-45.
  72. Xiao W, Wang Y, Pacios S, et al. Cellular and Molecular Aspects of Bone Remodeling. Front Oral Biol. 2016;18:9-16.
  73. Allori AC, Sailon AM, Warren SM. Biological basis of bone formation, remodeling, and repair-part I: biochemical signaling molecules. Tissue Eng Part B Rev. 2008;14(3):259-73.
  74. Hiraga T, Myoui A, Hashimoto N, et al. Bone-derived IGF mediates crosstalk between bone and breast cancer cells in bony metastases. Cancer Res. 2012;72(16):4238-49.
  75. Chiechi A, Waning DL, Stayrook KR, et al. Role of TGF-beta in breast cancer bone metastases. Adv Biosci Biotechnol.2013;4(10c):15-30.
Veja os serviços prestados

Convênios

  • Advance
  • Allianz Saúde
  • Ameplan
  • Amil
  • Apeoesp
  • Bradesco Saúde
  • Caixa Seguros
  • Care Plus
  • Cassi
  • Cetesb
  • Classes Laboriosas
  • Dix
  • Economus
  • Fundação CESP
  • Gama Saúde
  • Grupo Saúde Bresser
  • Hapvida
  • Intermedica
  • Itau
  • Life Empresarial
  • Mapfre
  • Marítima Saúde
  • MedService
  • Metrus
  • Notredame
  • Omint Saúde
  • Ônix
  • Portomed
  • Porto Seguro
  • Sabesprev
  • Santamalia
  • Saúde Secular
  • SP Trans
  • Sul America Saúde
  • Unafisco
  • Unimed
  • Unimed Rio
  • Unimed Seguros